Japão quer energia, minério e alimentos da América Latina

O primeiro-ministro japonês, Junichiro Koizumi, disse hoje que quer transformar a América Latina em um fornecedor estável de recursos minerais e energéticos e de alimentação para o Japão. Em almoço com cerca de 200 convidados em São Paulo, ele pediu a autoridades e empresários que se empenhem em dar um novo impulso às relações entre o Japão e a América Latina. O premiê afirmou que o Japão está investindo US$ 4,6 bilhões em projetos de infra-estrutura na América Latina, também com o intuito de reforçar a integração regional. Koizumi confirmou que assina na sexta-feira um acordo de associação econômica com o México para o livre intercâmbio de produtos, pessoas, serviços e capitais. O premiê espera que esse acordo sirva de base para impulsionar as relações entre o Japão e outros países da América Latina. "É o primeiro acordo comercial que meu país assina com uma nação latino-americana. Espero que ele seja capaz de impulsionar mais programas conjuntos", afirmou. O premiê pediu maior apoio do Brasil nas questões internacionais, como cooperação para impulsionar as negociações da Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC). E se disse favorável à ampliação do Conselho de Segurança das Nações Unidas. "Quanto mais membros, mais credibilidade tem o órgão", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.