Japão revê crescimento de todo o país pela 1ª vez em 10 anos

Também nesta quarta-feira, o governo japonês anunciou o pior índice de produção industrial desde 2004

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

29 Outubro 2008 | 08h12

Depois da divulgação do pior índice de produção industrial em quatro anos, o governo do Japão anunciou nesta quarta-feira, 29, uma revisão em baixa de suas projeções para a economia pelo terceiro trimestre seguido, refletindo desaceleração no consumo e na oferta de emprego. Pela primeira vez desde 1998, as projeções foram reduzidas para as 11 regiões cobertas pelos escritórios distribuídos no país do Ministério das Finanças.   Veja também: Veja os reflexos da crise financeira em todo o mundo Veja os primeiros indicadores da crise financeira no Brasil Lições de 29 Veja o que muda com a Medida Provisória 443 Veja as semelhanças entre a MP 443 e o pacote britânico Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise    É uma nova indicação de que a visão das autoridades monetárias está cada vez mais sombria em relação a economia, o que pode servir de justificativa para o anúncio de um pacote de estímulo econômico em breve. "Os sinais de enfraquecimento são palpáveis em todas as regiões", diz o relatório.   As palavras empregadas no relatório deste trimestre são mais pessimistas do que no relatório do segundo trimestre, no qual o Ministério avaliou que as economias "estão atualmente paradas em muitas regiões, mostrando sinais de desaceleração em alguns distritos".   Na avaliação mais detalhada de 47 prefeituras, o Ministério das Finanças rebaixou a avaliação para 45 delas. É o número mais elevado desde que o Ministério deu início à avaliação de prefeituras em janeiro de 2004, observou o Ministério.   De todas as 11 regiões, Kanto, a área mais populosa que também inclui Tóquio, sofreu um rebaixamento em conseqüência da produção, consumo e emprego, que deterioraram-se durante o trimestre.   Produção   A produção industrial do Japão caiu 1,2% no intervalo entre julho e setembro, a maior queda em quatro anos. É a terceira redução consecutiva do indicador, provocada pela desaceleração do crescimento global, que penaliza a economia do país, basicamente direcionada às exportações.   A baixa foi a maior desde o recuo de 1,5% registrado entre outubro e dezembro de 2004. Automóveis, máquinas e equipamentos e componentes eletrônicos foram os setores que lideraram as quedas.   Os índices também apontam a mais longa sucessão negativa, desde um período de quatro trimestres, em 2001, quando o Japão estava no meio de sua última recessão. Sugerem ainda que a crise financeira global, iniciada nos EUA, gerou sérios problemas para as maiores economias da Ásia.   A decrescente demanda nos EUA e Europa, ao lado do encarecimento dos recursos naturais nos mercados globais, trabalharam contra o Japão, que há tempos cresce via exportações de produtos feitos com matérias-primas importadas.   Os dados também mostraram que a produção industrial japonesa cresceu 1,2% em setembro. Melhor que o 0,5% estimado pelos economistas consultados pelo Dow Jones Newswires. Porém, os executivos da indústria de manufatura ouvidos relataram ao Ministério da Economia, Comércio e Indústria do país que esperam novas quedas da produção, em outubro e em novembro - respectivamente de 2,3% e de 2,2% -, indicando novas baixas do indicador, no quarto trimestre.   Se estas previsões estiverem corretas, e se a produção industrial não reagir em dezembro, o indicador pode fechar o período em queda de 4%. O ministério abrandou a avaliação sobre a produção industrial, descrevendo o atual momento como de "tendência de ligeira queda", em vez de "enfraquecimento".

Mais conteúdo sobre:
Crise Financeira Crise nos EUA Japão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.