Japonesa Toyota eleva estimativa de produção em 2009

A produção global da montadora japonesa Toyota Motor em 2009 deverá superar a estimativa inicial em mais de 500 mil unidades e atingir cerca de 6,5 milhões, de acordo com o jornal The Nikkei. O resultado está ligado à popularidade do híbrido Prius e à rápida redução dos estoques de veículos em todo o mundo.

DANIELLE CHAVES E MARCÍLIO SOUZA, Agencia Estado

22 de setembro de 2009 | 16h14

Os números são baseados nos planos de produção da montadora apresentados a fabricantes de autopeças. Inicialmente, a Toyota havia projetado produção de 5,95 milhões de unidades neste ano.

Depois que a crise financeira provocou queda nas vendas de automóveis, a Toyota e outras montadoras cortaram fortemente a produção. No entanto, como a produção diária deverá voltar para cerca de 15 mil unidades em novembro, a mensal provavelmente vai superar o nível de 2008 e registrar o primeiro avanço em 16 meses. A produção global da Toyota em 2009, porém, deverá ficar bem abaixo da de 2008, quando foram fabricados 8,21 milhões de veículos.

GM e Ford

Nos Estados Unidos, a montadora General Motors (GM) anunciou que adotará um terceiro turno de trabalho em suas fábricas em Fairfax (Kansas), Fort Wayne (Indiana) e Lansing Delta Township (Michigan). Com a decisão, a empresa vai restaurar 2,4 mil empregos no país.

De acordo com a empresa, a fábrica de Fairfax será a única a produzir o Chevrolet Malibu quando a unidade de Orion, em Michigan, encerrar a produção em novembro. Em 2010, a unidade de Orion será reformada para fabricar carros pequenos, que serão vendidos no mercado norte-americano em 2011.

Em Fort Wayne, a GM disse que vai acrescentar a produção de picapes da fábrica da Pontiac, em Michigan, que será fechada neste mês. A unidade de Lansing Delta Township, por sua vez, acrescentará o modelo Chevy Traverse em sua linha. Os novos turnos em Fort Wayne e Lansing deverão começar em abril. Em Fairfax, o início do novo turno deverá ser em janeiro.

Já a Ford, concorrente da GM, entrou com um pedido para receber US$ 886 milhões de um pacote de empréstimo de US$ 5,94 bilhões aprovado pelo Departamento de Energia dos EUA (DOE). O dinheiro tem como objetivo estimular a fabricação de automóveis eficientes no uso de combustível.

O pedido dessa primeira parcela deverá ser totalmente atendido pelo DOE até o dia 29, de acordo com comunicado da montadora. A Ford foi a única montadora de Detroit a se qualificar para o financiamento do Programa de Incentivos para a Fabricação de Veículos de Tecnologia Avançada, anunciado pelo DOE em 18 de novembro do ano passado. A GM pediu empréstimos, mas ainda não recebeu aprovação, porque passou por um processo de concordata. A Chrysler uniu a maior parte de suas operações com as da italiana Fiat. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
carrosmontadoraToyotaGMFord

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.