Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Japoneses esnobam 'presente' de US$ 100 do governo

Pesquisa indica que plano de distribuir dinheiro é visto como 'desnecessário'.

Da BBC Brasil, BBC

13 de novembro de 2008 | 08h00

Um plano do governo japonês para dar dinheiro aos cidadãos está sendo revisto depois que muitas pessoas disseram não ter certeza se aceitariam a oferta.O primeiro-ministro japonês, Taro Aso, havia prometido dar cerca de US$ 100 para cada cidadão - e algum extra para crianças e aposentados - em uma tentativa de estimular a economia do país.Mas, segundo o correspondente da BBC em Tóquio Duncan Bartlett, uma pesquisa de opinião revelou que mais de 60% da população acredita que o esquema não é necessário.Muitos dizem que não se dariam o trabalho de ir coletar o dinheiro. No Japão, US$ 100 seriam suficientes para um jantar em um restaurante ou uma semana de compras de comestíveis.Tem havido diferenças entra o primeiro-ministro e alguns de seus ministros sobre se pessoas que ganham um alto salário deveriam ser excluídas da oferta. E os serviços públicos afirmam que a distribuição do dinheiro pode acabar ficando extremamente cara, reduzindo os benefícios do projeto.Segundo Bartlett, Aso não abandonou o plano ainda, mas parece improvável que o esquema seja colocado em prática em março do ano que vem, como originalmente planejado.A valorização do iene e a desaceleração econômica na Europa e nos Estados Unidos têm tido um grande impacto na economia japonesa, deixando os exportadores em grandes dificuldades. Há duas semanas, o governo japonês anunciou um pacote de quase US$ 300 bilhões de dólares em cortes de impostos, ajuda a pequenas empresas e outras medidas, como redução nos pedágios de estradas, e fez o primeiro corte de taxa de juros em sete anos. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
recessãojapãodoaçãotaro aso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.