Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

JBS destaca controle rígido no caso da vaca louca

Texto assinado por presidente da empresa diz que procedimentos impediram que animal chegasse até consumidor

O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2014 | 02h08

A JBS-Friboi divulgou comunicado ontem, informando que o "rígido controle exercido em conjunto com o Ministério da Agricultura" impediu que animal suspeito de sofrer de Encefalopatia Espongiforme Bovina, conhecida como mal da vaca louca, chegasse até os consumidores.

O texto é assinado pelo presidente da empresa, Miguel Gularte. Segundo ele, o episódio não deve representar nenhum impacto nas exportações brasileiras de carne ou nas vendas no mercado interno.

Segundo a empresa, "o rígido controle sanitário desempenhado pela companhia em conjunto com os fiscais agropecuários do Ministério da Agricultura e Pecuária foi determinante para identificar com rapidez e eficiência" o caso. De acordo com o comunicado, o evento "comprova a eficiência do processo de controle instalado em todas as unidades da companhia".

Doença. Um vaca nelore de 12 anos, supostamente infectada com a doença, foi identificada em Mato Grosso, prestes a ser abatida. Encontrava-se em frigorífico mantido pela JBS-Friboi em São José dos Quatro Marcos, no sudoeste do Estado.

O animal foi encaminhado para o frigorífico pela Fazenda Talismã, localizada no município vizinho de Porto Esperidião, fronteira com a Bolívia, de acordo com a prefeitura da cidade.

No último sábado, conforme diz o Ministério da Agricultura, foram abatidos outros 49 animais que tiveram contato com o animal supostamente doente.

Os técnicos do Departamento de Saúde Animal, do Ministério da Agricultura, decidiram sacrificar e incinerar a vaca, após avaliar que a posição em que estava poderia indicar um sintoma de EEB - o chamado "decúbito forçado" é o estado do bovino caído, que pode ocorrer tanto em função de fraqueza muscular quanto de deficiência na coordenação motora causada por distúrbios neurológicos da encefalopatia.

Os outros 49 animais que foram abatidos e incinerados tiveram contato com a fêmea que foi detectada com uma falha em partículas de proteínas importantes para o desenvolvimento dos neurônios, a chamada marcação priônica.

Segundo o ministério, o sacrifício é parte do procedimento adotado pela defesa sanitária nos casos de suspeita de vaca louca. A inspeção sanitária da Agricultura coletou material e enviou para a exames na rede estatal Laboratórios Nacionais Agropecuários (Lanagros).

A unidade do Recife identificou que a vaca havia desenvolvido a marcação priônica. Também foi enviado material para avaliação da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE, na sigla em inglês), que faz exames laboratoriais em Weybridge, na Inglaterra, para confirmar se é efetivamente um caso de EEB.

A classificação do caso como atípico, segundo a Agricultura, ocorre porque o animal não desenvolveu a doença da vaca louca nem morreu em função dela. A marcação priônica se desenvolveu por causa da idade animal - ela ocorre normalmente em bovinos acima de dez anos, em função do envelhecimento das células do animal. O caso clássico da doença ocorre em rebanhos mais novos, de até 7 anos. Nesses casos, a enfermidade pode ser causada pela alimentação a base de farinha de osso e carne. É proibido alimentar os animais no Brasil com esse tipo de suplemento, o que ajudou o País a conseguir o nível de "risco insignificante" de doenças sanitárias conferido pela OIE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.