JBS deve fazer oferta por Sara Lee mas precisa de financiamento

A Sara Lee já sinalizou que considerará apenas ofertas de pelo menos US$ 20 por ação

Filipe Domingues, da Agência Estado,

26 de janeiro de 2011 | 16h23

O frigorífico brasileiro JBS, maior processador mundial de carne bovina, ainda deve apresentar uma nova proposta de compra à norte-americana de alimentos Sara Lee e pode oferecer apenas de US$ 19 a US$ 20 por ação, já que encontra dificuldades de se financiar, segundo pessoas familiarizadas com a negociação. De acordo com reportagem do Wall Street Journal, um grupo liderado pelo fundo de private equity Apollo Global Management, que apresentou uma oferta na sexta-feira, está avaliando se pode pagar mais do que os US$ 19 por ação que propôs inicialmente. A Sara Lee já sinalizou que considerará apenas ofertas de pelo menos US$ 20 por ação.

O JBS disputa a Sara Lee com um consórcio que inclui os fundos de private equity Apollo Global, Bain Capital e TPG Capital, além do investidor C. Dean Metropoulos. O jornal New York Post noticiou ontem à noite em seu site que a Sara Lee rejeitou uma oferta informal de aquisição de US$ 18 por ação feita por consórcio em questão.

A negociação pela Sara Lee se transformou numa espécie de leilão informal, pois a companhia alega que, se as ofertas não forem satisfatórias, pode iniciar um processo de cisão. Uma série de opções vem sendo levantada pela companhia de alimentos e, de acordo com as fontes, uma decisão final ainda deve demorar alguns dias.

O grupo que inclui o Apollo Global conseguiu cerca de US$ 8 bilhões em financiamento para fazer a oferta pela Sara Lee, segundo as pessoas ligadas ao assunto, e tem alternativas para aumentar a proposta. Não está claro, no entanto, se ele deseja realmente elevar seu preço a ponto de satisfazer as pretensões da Sara Lee.

A oferta do JBS é própria, mas o frigorífico vem trabalhando junto ao fundo Blackstone Group, que poderia adquirir ações do JBS com deságio, para ajudar a empresa brasileira a levantar dinheiro. Além disso, se o JBS comprar a Sara Lee, o Blackstone deveria assumir as operações com café da norte-americana. No Brasil, a Sara Lee é proprietária de marcas como Café Pilão, Café Caboclo, Café do Ponto e Seleto.

As fontes avaliam que o JBS precisaria de mais tempo para aumentar a oferta, pois possui capitalização de mercado de aproximadamente US$ 11 bilhões, enquanto a Sara Lee vislumbra US$ 12 bilhões. O JBS chegou a oferecer US$ 17,50 por ação, mas a Sara Lee recusou, conforme disseram as fontes. As informações são da Dow Jones.

 

Tudo o que sabemos sobre:
frigoríficoJBScarneSara Lee

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.