finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

JHSF reduz em 33% sua projeção de lançamentos

A construtora JHSF reduziu em 33% a sua projeção de lançamentos para este ano. A meta, que era de R$ 2,24 bilhões, caiu para R$ 1,5 bilhão. "A gente achou que não era conveniente lançar tudo neste ano. Nossa estrutura de caixa daria fôlego para lançar isso e muito mais. Mas, nos últimos meses, começamos a repensar os lançamentos, principalmente aqueles voltados para a baixa renda", disse o vice-presidente e diretor de relações com o investidor da JHSF, Eduardo Câmara. "É um segmento mais dependente de crédito que o de alta renda. Em geral, apenas 20% do imóvel está pago até a entrega das chaves. E a margem de lucro fica em torno de 20%. Na alta renda, quando as obras terminam, o custo já está praticamente coberto porque o cliente paga quase tudo à vista. E as margens são de 50%."Até maio deste ano, a companhia não atuava na baixa renda. A sua entrada se deu com a aquisição da Developer, especializada em imóveis nesse segmento. Nessa área, o valor geral de vendas (VGV) foi reduzido de R$ 300 milhões para R$ 100 milhões a R$ 50 milhões. A JHSF também adiou para o ano que vem o lançamento do Parque Catarina, empreendimento destinado às rendas média e alta. As mudanças abrangeram ainda a readequação do banco de terrenos, com o cancelamento das opções de compra, principalmente no segmento econômico. O recuo da companhia levou a uma demissão de 40 funcionários da área administrativa entre o fim de outubro e o começo de novembro, o equivalente a 10% do quadro. Na área de shopping centers, a companhia será menos conservadora. Decidiu antecipar a expansão de 12 mil metros quadrados de área bruta locável (ABL) do Shopping Cidade Jardim de 2013 para 2009. Na inauguração, já havia expectativa de que a expansão fosse antecipada, segundo Câmara. A expansão vai ocorrer no terceiro andar e deve consumir entre R$ 15 milhões e R$ 20 milhões. Como o terceiro andar já está construído, os aportes vão se concentrar na adequação dos espaços internos. A expectativa da companhia é que haja 60 lojas na área expandida.

Chiara Quintão e Patrícia Cançado, O Estadao de S.Paulo

12 de novembro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.