finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Jirau pode operar a partir de janeiro, prevê Chesf

O início da operação comercial da Usina Hidrelétrica de Jirau, no Rio Madeira (RO), tende a ficar para janeiro. O diretor financeiro e econômico da Chesf, Marcos Cerqueira, disse a jornalistas ter recebido a informação de que, em razão dos últimos atrasos, em decorrência da greve que afetou a usina por quase um mês, o consórcio responsável pelas obras estaria trabalhando com o prazo de janeiro para o início das operações. "A informação que eu tenho é de que se está trabalhando para tentar diminuir o atraso, mas garantir a entrada (em operação) em janeiro", comentou.

LUCIANA COLLET, Agencia Estado

20 de abril de 2012 | 13h39

Embora por contrato a usina precise começar a gerar energia apenas no início de 2013, o Consórcio Energia Sustentável do Brasil trabalhava com a expectativa de antecipar a geração, até mesmo para ampliar a rentabilidade do projeto. Inicialmente, a previsão era começar a produção no primeiro semestre deste ano, mas por conta da greve deflagrada no ano passado esse cronograma já tinha sido adiado para o segundo semestre.

A Chesf possui uma participação minoritária no consórcio, de 20%. O grupo GDF Suez é o principal acionista, com 50,1%. Camargo Corrêa tem 9,9% e Eletrosul, os 20% restantes.

Tudo o que sabemos sobre:
Jiraugeraçãoatraso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.