João Paulo critica meta de superávit e juros

O presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), criticou hoje a meta de superávit primário ? arrecadação do governo menos os gastos com as autarquias municipais, estaduais, federal e as empresas estatais ? e a taxa básica de juros da economia, a Selic. "Não é razoável que, com o superávit que estamos praticando e os juros que estamos pagando, a relação dívida/PIB continue inalterada", afirmou. Segundo João Paulo, é preciso adotar medidas para criar empregos e permitir investimentos em setores como saneamento básico. João Paulo afirmou ainda que a Câmara vai concentrar-se, este ano, na discussão e aprovação de projetos que desonerem o emprego formal, assim como acelerar a tramitação das reformas tributária e previdenciária que estão na Câmara. Também a reforma política, segundo ele, estará no calendário da Câmara, assim como projetos de alcance social, como a federalização de crimes contra os direitos humanos e a expropriação de terras em que se pratique trabalho escravo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.