Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Jogos do Brasil lotam padarias, mas derrubam vendas no varejo em cerca de 25%

Em bares, jogo às 15h em dia de semana aumentou movimentação em 43,7% no dia

O Estado de S.Paulo

02 Julho 2018 | 20h31

Os donos de padarias devem comemorar ainda mais a classificação do Brasil para as quartas de final do Mundial da Rússia. Segundo levantamento feito pela Cielo, as vendas no canal aumentaram em média 11,4% no dia em que o Brasil venceu a Costa Rica e 9,3% no dia 27 de junho, quando bateu a Sérvia. O número contrasta com o do restante do varejo, que apresenta queda média nas vendas em dias de jogos da Seleção de 25,2%.

+ Padarias viram point de paulistanos em jogo matutino do Brasil

Apesar de registrar um movimento menor enquanto a equipe de Tite desfila pelos gramados, há um pico de movimentação antes das partidas, o que garante o movimento diário acima da média. O mesmo não ocorreu com outros setores do varejo.

Na categoria bares, por exemplo, o consumo depende do horário dos jogos. Na estreia, contra a Suíça, um domingo, o faturamento foi 6,7% inferior ao de um domingo comum, mesmo caso do segundo jogo, uma sexta-feira às 9h. Naquele dia, o movimento em restaurantes e bares caiu 8,8%. Já no terceiro jogo, contra a Sérvia, o expediente de muitos brasileiros foi encerrado mais cedo, o que refletiu em uma alta de 43,7% no movimento dos bares com relação ao dia.

No dia da vitória contra a Sérvia, os setores mais impactados negativamente foram os de Vestuário, com queda de 49,6% em relação a uma quarta-feira normal, e o setor de móveis, eletro e lojas de departamento, com  queda de 45,7%. Nos dois casos, os dados apontaram lojas com faturamento zero durante o período do jogo, o que indica que muitas delas fecharam as portas durante o jogo.

E ainda que muitos torcedores tenham passado no mercado para comprar bebidas e petiscos antes de Brasil e Sérvia, o setor também sofreu um impacto diário negativo, de 4,4%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.