Wilton Júnior/ AE
Wilton Júnior/ AE

Jorgina, a golpista do INSS, terá de devolver R$ 200 milhões

Famosa fraude da década de 90 teria provocado, ao todo, um rombo de até R$ 500 milhões na Previdência  

Agência Estado,

21 de maio de 2010 | 08h36

A 27ª Vara Federal do Rio de Janeiro condenou a advogada Jorgina de Freitas a devolver R$ 200 milhões aos cofres públicos. Ela foi acusada de ter causado o maior rombo da história do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), na década de 90. Segundo informações da Agência Brasil, a Justiça manteve bloqueados os bens de todos os envolvidos na fraude, além de também ter condenado o contador Carlos Alberto Mello.

A fraude teria provocado, ao todo, um rombo de até R$ 500 milhões na Previdência, mais da metade de toda a arrecadação do INSS na época. Condenada a 14 anos de prisão em 1992, Jorgina fugiu para a Costa Rica. A advogada só foi recapturada em 1998, e está presa desde então. Ainda segundo a Agência Brasil, cerca de R$ 69 milhões do dinheiro subtraído dos cofres públicos pela fraude já foram devolvidos.

Texto atualizado às 11h43 para correção de informações

Tudo o que sabemos sobre:
INSSfraudeJorgina de Freitas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.