Jornais argentinos 'ignoram' grau de investimento do Brasil

Apenas La Nación, El Cronista e Ambito Financiero traziam notícias sobre avanço econômico brasileiro

da Redação, estadao.com.br

30 de abril de 2008 | 22h33

No dia em que principal agência de classificação de risco Standard & Poor's elevou a classificação de risco do Brasil para investment grade (BBB-) - colocando os títulos da dívida do Brasil no nível de baixo risco de crédito - os jornais argentinos deram pouca repercussão ao fato.  Veja também:Brasil é elevado a grau de investimento; Bovespa disparaApós grau de investimento, Bovespa bate recorde históricoInvestment grade reflete boa política econômica, diz S&P'É o aval de que passamos a ser donos do nosso nariz', diz Lula 'Brasil entra no clube dos mais respeitados', diz Mantega Grau de investimento neste cenário é significativo, diz MeirellesComo o presidente sempre diz, 'nunca antes neste País...'Entenda o que muda no Brasil No La Nación, o noticiário dava destaque para o fato de a bolsa argentina ter subido nesta quarta-feira, 30, impulsionada pela escalada do mercado brasileiro após o recebimento da notícia. "O índice Bovespa de São Paulo subiu 6,33%, o maior crescimento diário desde 2001, e fechou em nível recorde logo que a Standard & Poor's outorgou ao país o grau de inversão", diz o jornal.  O El Cronista deu destaque para o recorde atingido pela Bovespa devido ao grau de inversão. Já o Ambito Financiero trazia uma nota bastante otimista, ressaltando que o "Brasil vive o melhor momento de sua história: obteve nota de país seguro para investir." O jornal lembra que essa é mais uma boa notícia no âmbito econômico para o presidente "Lula da Silva". É destacado também o recorde da Bovespa, além da descoberta das novas reservas de petróleo e gás, "que posicionaram o Brasil como potência petrolífera mundial."

Tudo o que sabemos sobre:
Grau de investimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.