Jornal critica postura do Brasil na OMC

O jornal econômico The Wall Street Journal diz nesta sexta-feira que o Brasil pode transformar ?uma vitória comercial em uma derrota? com sua estratégia nas negociações da Organização Mundial do Comércio (OMC). ?Uma conclusão segura emergiu de Hong Kong: a de que, como um importante líder do G20, o Brasil é agora um jogador crítico na OMC?, diz o jornal.Mas o texto afirma que, para melhor servir seus cidadãos, os negociadores brasileiros deveriam calibrar sua ênfase no comércio agrícola com uma postura ?mais afável em temas que interessam aos países ricos, como a proteção às patentes e outras formas de propriedade intelectual?.A autora da análise, Mary Anastasia O?Grady, cita o caso da anulação das patentes dos remédios de combate à Aids como um exemplo de vitória do Brasil que pode se transformar em um fardo não só para o País, mas também para gerações futuras de soropositivos.Argumentando que a medida está desestimulando empresas farmacêuticas a investirem em pesquisas sobre novas drogas, o jornal diz que, ?longe de ajudar os soropositivos, este confisco de propriedade vai causar danos a eles?.Bate-boca peso-pesado O espanhol El País destaca o que chama de ?um áspero debate? ocorrido na quinta-feira entre o ministro do Exterior, Celso Amorim, e o comissário da União Européia para o comércio, Peter Mandelson, dois ?pesos-pesados? das negociações em Hong Kong.A discussão foi descrita como uma ?forte disputa? por um negociador americano citado na reportagem. O jornal diz que, após a discussão, os países presentes à ?tensa reunião? pediram ao diretor-geral da OMC, Pascal Lamy, que tente encontrar uma proposta de consenso até o fim do encontro de Hong Kong.Antes, segundo o diário madrilenho, os representantes da União Européia presentes em Hong Kong decidiram ?cerrar fileiras? em apoio a uma posição de ?extrema firmeza frente às pressões dos Estados Unidos, do Brasil e da Índia?.Risco de regressão real O jornal financeiro britânico Financial Times diz que ?o real forte desperta temores de uma regressão? na economia brasileira.A reportagem afirma que ?a competitividade na indústria brasileira está sendo corroída e o investimento está em queda? como resultado da valorização da moeda nacional.Os problemas se mostraram mais evidentes quando o governo divulgou que o PIB brasileiro encolheu 1,2% no terceiro trimestre, afirma o jornal.?Muita gente culpa as altas taxas de juros e um clima de incerteza causado por um escândalo de corrupção que tem afetado o governo desde maio, assim como a força do real?, diz o texto.??Mas o baixo crescimento, as altas taxas de juros e o real supervalorizado são sintomas do fracasso do governo em promover reformas fundamentais necessárias para lidar com a qualidade dos gastos públicos, reduzir as dívidas do governo e impulsionar os investimentos.?

Agencia Estado,

16 de dezembro de 2005 | 09h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.