Jornal diz que Petrobras ofereceu US$ 900 mi por Esso no Cone Sul

'El Cronista', da Argentina, diz que empresa está prestes a comprar operações na região.

Marcia Carmo*, BBC

31 de outubro de 2007 | 15h45

O jornal econômico argentino El Cronista diz em sua edição desta quarta-feira que a Petrobras ofereceu cerca de US$ 900 milhões por ativos da Esso na América do Sul."A empresa brasileira está a ponto de comprar as operações na Argentina, no Brasil, no Chile e no Uruguai", afirma o diário, que cita fontes não-identificadas que estariam acompanhando as negociações de perto."As negociações estão muito avançadas e a compra seria fechada nos próximos dias", acrescenta o El Cronista.O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, disse nesta quarta-feira, em Londres, que a empresa "não pode confirmar, nem negar a informação".Fontes da empresa haviam dito à BBC Brasil dias atrás que as negociações existem, mas que seus avanços e conclusões dependem de entendimento com o governo argentino.Segundo o El Cronista, a empresa estatal argentina Enarsa, criada no governo do presidente Néstor Kirchner, entraria no negócio assim que fossem concluídas as vendas dos ativos da companhia Exxon Mobil, dona da Esso, para a Petrobras. No Ministério do Planejamento, responsável pela Enarsa, não havia comentários sobre a reportagem do jornal argentino até o início da tarde desta quarta-feira. Ainda de acordo com a reportagem, a Esso possui 90 postos de gasolina no país e outros 500 tercerizados. A companhia da Exxon conta ainda com uma refinaria na localidade de Campana, na província de Buenos Aires, e ativos em outros países da região. Mas sua presença é mais forte no Brasil, onde, de acordo com assessores da Petrobras, a empresa brasileira multiplicaria seu potencial caso a transação comercial com a Esso seja confirmada.De acordo o El Cronista, diversos grupos petroleiros participam da disputa pela compra do pacote da Exxon na região, incluindo a estatal venezuelana PDVSA. "Mas a Petrobras teria tido vantagem sobre os demais competidores por ter feito uma oferta global de aproximadamente US$ 900 milhões por todos os ativos que a companhia americana quer vender", publicou o jornal argentino. O El Cronista afirma ainda que a Venezuela entrou na disputa com duas desvantagens: "a relação que não é boa entre o governo de Hugo Chávez e os americanos e a oferta de pagamento, que incluía a troca de ativos como parte do pagamento"."Essa proposta teria incluído uma refinaria da petroleira Citgo, a marca internacional da PDVSA nos Estados Unidos", acrescenta o jornal.* colaborou Daniel Gallas, de LondresBBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasEssoativosCone Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.