José Alencar critica desonerações tributárias

Três dias depois do eufórico anúncio da Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP), o vice-presidente da República, José Alencar, declarou que melhor alternativa seria um esforço do governo para expandir a infra-estrutura logística e de energia do País. No Itamaraty, onde recebeu o primeiro-ministro da Finlândia, Matti Vanhanen, Alencar criticou as desonerações tributárias - justamente as medidas que estiveram no centro desta segunda política industrial do governo Luiz Inácio Lula da Silva."A melhor política industrial que o Brasil pode oferecer a todos os empreendimentos, nacionais ou não, é infra-estrutura logística e de energia com segurança absoluta", defendeu Alencar. "Temos de fazer isso grande, como fazem os países da Ásia. Precisamos de portos, de armazenagens, de aeroportos, de estradas de ferro, de hidrovias, de obras capazes de fazer com que o Brasil cresça sem atropelo, sem gargalos", completou.O vice-presidente acrescentou que a melhoria da infra-estrutura tem sido objeto da preocupação do presidente Lula e do seu governo. De fato, em fevereiro de 2007, o governo lançou o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que prevê a destinação de R$ 504 bilhões, até 2010, para obras de infra-estrutura logística, energética, social e urbana. Questionado se considerava mais importante o PAC que a Política de Desenvolvimento Produtivo para a elevação do grau de competitividade do setor industrial brasileiro, Alencar apontou dúvidas sobre o resultado desse projeto."Não estou fazendo comparação. Eu nem quero citar o PAC porque não sei se possui tudo aquilo que o Brasil precisa em termos de energia e de logística. Tenho que ver se é suficiente", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.