Perthshire/reprodução
Perthshire/reprodução

Jovem viaja de graça como Dicaprio em ‘Prenda-me se for capaz’

Durante seis meses o inglês de 19 anos deu prejuízo de R$ 260 mil a duas agências de viagem

Economia & Negócios,

21 de agosto de 2013 | 17h44

SÃO PAULO - Um rapaz inglês de 19 anos enganou seus patrões e duas grandes agências de viagem para viajar o mundo e hospedar-se em hotéis de luxo sem gastar nada.

Como no filme 'Prenda-me se for capaz' ('Catch Me If You Can'), estrelado por Leonardo Dicaprio, o jovem Reece Scobie gastou mais de 70 mil libras, o equivalente a R$ 260 mil, enganando seus ex-patrões de uma companhia de turismo, uma companhia de viagens rival e funcionários judiciais.

O filme de DiCaprio narra uma história parecida e também real, de Frank Abagnale, que se fazia passar por piloto de avião para viajar pelo mundo.

Reece Scobie reservava voos e embarcava em classe executiva para destinos em todo o mundo, como Nova York, Dubai, Cingapura, Los Angeles, Vancouver e Auckland, promovendo uma farra de gastos que durou seis meses, segundo reportagem do jornal Daily Mail.

O adolescente vigarista vive com a mãe em Rait, na Inglaterra. Mesmo quando já estava sendo investigado, ele conseguiu enganar os funcionários do tribunal e obter a devolução do seu passaporte que havia sido confiscado como condição de pagamento de fiança.

Furto de senha. O adolescente trabalhou para a agência de viagens Thomson por dois meses, e continuou a usar senhas da empresa para reservar voos e hotéis mesmo depois de deixar o emprego. O advogado do jovem alega que ele foi diagnosticado com síndrome de Asperger.

Em uma ocasião, o jovem conseguiu recuperar a senha do usuário anterior do computador disponível na sala da British Airways. A senha era da empresa de viagens de negócios Cambridge Business Travel, e permitiu ao enganador obter acesso ao sistema de reservas da empresa usado para organizar os voos.

Quando Scobie estava em Los Angeles, as irregularidades vieram à tona e seu voo de volta foi cancelado, forçando-o a pedir dinheiro emprestado para pagar a viagem de volta para casa.

O jovem admitiu as acusações de fraude e disse que entre julho de 2011 e janeiro 2012 reservou um número indeterminado de voos e quartos de hotel com a senha da empresa.

Ele também admitiu acessar as contas de Cambridge Business Travel para  reservar voos em janeiro do ano passado.

Prejuízo. O tribunal foi informado de que a Thomson viagem teve prejuízo equivalente a R$ 42,2 mil, enquanto a viagem Cambridge perdeu R$ 224,8 mil, segundo a reportagem do jornal britânico.

O jovem foi preso no início de 2013 e teve seu passaporte apreendido como condição para garantir o pagamento da fiança. No entanto, ele voltou à corte em 18 de abril e, mentindo, disse que tinha um novo emprego no setor de viagens e turismo e que precisava do passaporte para o trabalho.

O passaporte foi devolvido mediante a apresentação de uma série de documentos falsos. Esta semana, o advogado de defesa Jim Laverty disse que seu cliente sabia que ele estava em sério risco de ser enviado para a prisão por causa da série de fraudes.

Ele disse ao tribunal que seu cliente foi diagnosticado com síndrome de Asperger. Sentença foi adiada e o jovem passará por perícia psiquiátrica.

A síndrome de caráter autista causa dificuldade de interação social, dificuldades em processar e expressar emoções, interpretação muito literal da linguagem e comportamentos estereotipados.

Tudo o que sabemos sobre:
turismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.