Jovens buscam espaço em Cannes

Brasil leva 17 jovens publicitários para a França, para a disputa do Young Lions

Marili Ribeiro, O Estadao de S.Paulo

22 de junho de 2009 | 00h00

A expectativa dos organizadores do projeto Young Lions Brazil era levar este ano, no máximo, cinco jovens publicitários para o Festival Internacional de Publicidade de Cannes, por causa da crise global. Mas conseguiram patrocinar a ida de 17. "É uma clara demonstração de como esse projeto, que tem 15 anos, é relevante para o mercado publicitário nacional", diz Armando Ferrentini, dono da editora Referência e um dos organizadores da iniciativa.No geral, o projeto Young Lions Brazil leva à costa francesa entre 10 e 15 jovens profissionais todos os anos. "O pior desempenho foi durante a crise financeira de 2001, quando levamos apenas sete", lembra Emmanuel Publio, coordenador do Young e diretor de marketing da Escola Superior de Propaganda e Marketing ( ESPM). A seleção foi dura. No total, foram 266 inscritos - com mais de dois anos de carreira e menos de 28 anos de idade. Em Cannes eles participam de seminários e workshops, além de ter a oportunidade de contato com alguns de seus ídolos, como os diretores de criação mais badalados no universo publicitário."É uma experiência transformadora e que dá muita projeção à carreira", avalia Rodrigo Jatene, de 28 anos, que trabalha há dez anos com publicidade online, sendo os últimos quatro na agência Wunderman. É a segunda vez que ele se inscreve. "É mais fácil ganhar um Leão em Cannes do que conseguir uma vaga entre os ?youngs?", brinca.Jatene será um dos oito jovens, do grupo de 17, que viaja com uma missão extra. Em duplas, esses oito jovens encaram uma disputa paralela no Festival, que é a competição Young Lions. Nela, têm de criar peças que serão julgadas, e a eleita ganha um Leão. Eles trabalham, em completo isolamento, em um tema que é descrito na hora. Devem produzir filmes, anúncios impressos, desenvolver projetos de veiculação em diferentes mídias e também fazer campanhas online. Tudo em pouco mais de 24 horas.Jatene será dupla de Marcelo Pignatari, que conheceu casualmente em um shopping, na disputa pela categoria Cyber, ou seja, vão criar para propaganda na internet - em oito anos de existência dessa categoria entre os Youngs, as duplas que representaram o Brasil levaram a melhor em cinco. "É lógico que incomoda a pressão por ganhar", diz Pignatari, 28 anos e há quatro na agência McCann-Erickson. "Mas nós já assumimos que vamos bombar." Disposta a fazer bonito do seu lado, Fabiana Manfredi, 26 anos e há seis trabalhando na agência DM9DDB, fará dupla na categoria de programação de mídia, com Sandro Cachiello, 26 anos e há quase dois na F/Nazca Saatchi & Saatchi. "No ano passado, fiquei em terceiro lugar. Não me conformei, porque achava que tinha chances. Me inscrevi de novo e aqui estou", diz Fabiana.Para se preparar, Fabiana e Cachiello organizaram almoços com publicitários que já competiram. "Eles contaram que o briefing é passado de forma muita rápido. Se você não entender, corre o risco de fazer planejamento ineficiente e acabar desclassificado", diz ela.Cachiello acredita que deve sua seleção às boas ações que inscreveu na disputa para ser um "young". "Acho que a minha experiência profissional, com cases de sucesso, como o Skol Sensation (um evento de música eletrônica organizado pela marca de cerveja), pode ser um facilitador". Mais preocupada com seu desempenho está a redatora Carla Cancellara, 28 anos e há dois na Leo Burnett, que fará dupla com Alex Mendes, que trabalha na empresa Telecine, no Rio, e vão criar um filme comercial. "É um desafio e tanto fazer um roteiro, produzir, editar e colar uma trilha sonora em menos de 48 horas", diz ela. "E tudo isso deve ser feito com um celular!"A 15ª edição do projeto este ano teve participação recorde. Entre os 17 jovens profissionais, há alguns que já estão trabalhando fora do Brasil. E há também uma brasileira que vai concorrer no Young Lions defendendo a propaganda portuguesa. FRASESRodrigo JateneWunderman"É uma experiência transformadora e que dá muita projeção à carreira"Carla CancellaraLeo Burnett"É um desafio e tanto fazer um roteiro, produzir, editar e colar uma trilha sonora em menos de 48 horas"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.