Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

JP Morgan diz que moedas emergentes podem fica supervalorizada

As moedas latino-americanas easiáticas podem ficar supervalorizadas no curto prazo à medidaque os preços das commodities impulsionam as nações emdesenvolvimento, disse o JP Morgan nesta sexta-feira. O dólar já caiu para as mínimas de 8 a 10 anos frente amaioria das moedas latino-americanas e asiáticas em fevereiro,e os mercados emergentes continuam tendo melhores desempenhosdo que os ativos norte-americanos, segundo o banco."Nós acreditamos que a alta dos mercados emergentes ainda temforça e os bons desempenhos dos ativos de renda fixa destesmercados se manterão enquanto as condições de crédito nosEstados Unidos continuarem vulneráveis", afirmou o JP Morgan emrelatório. Os altos preços das commodities não estão somente apoiandoa maioria das economias emergentes com ainda estãoimpulsionando a inflação em todo o mundo. Isto deve sertraduzido em taxas de juros ainda mais altas nos paísesemergentes e maior apreciação de suas moedas. "Países latino-americanos e asiáticos irão tolerar moedasmais fortes no curto prazo para contrabalancear os riscos deuma inflação dos importados", acrescentou o banco, recomendandoaos investidores o real brasileiro, o peso peruano e rúpia daIndonésia . Como resultado da apreciação destas moedas, o JP Morganmanteve sua projeção de 10 por cento de retorno para os papéisdos mercados emergentes neste ano, como medido por seu índiceGBI-EM. O banco disse que os retornos medidos pelo GBI-EM ja estãose aproximando de sua meta, liderados por Brasil, Hungria eMéxico, mas alertou que grande parte de seus desempenhos devemser suavizados no decorrer do ano " à medida que as moedaslatino-americanos devolvam um pouco de seus recentesdesempenhos contra o dólar".

REUTERS

29 de fevereiro de 2008 | 18h02

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSJPMORGANMOEDAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.