JP Morgan mantém recomendação para dívida do Brasil

O banco de investimentos JP Morgan manteve a sua recomendação "marketweight" (na média da carteira de investimentos) para os títulos da dívida externa do Brasil. Os analistas do banco observam que há duas forças conflitantes. São elas: o momento para os papéis brasileiros é negativo, especialmente após a sessão de negócios de ontem; e o comportamento mostra que esses papéis continuam sendo de alta volatilidade ("high beta"), apesar do ajuste das contas correntes, melhor números de inflação, taxas de juros mais baixas e um menor volume de necessidade de financiamento externo. No acumulado do mês, os papéis da dívida soberana do Brasil registram uma queda de 8%, comparado com uma variação negativa de 5% do EMBI (índice de mercado de dívida de países emergentes, apurado pelo JP Morgan) no acumulado deste mês até ontem. Apenas as dívidas do Uruguai e do Equador tiveram um desempenho pior do que a do Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.