Reuters
Reuters

JP Morgan usa C6 para ingressar no varejo bancário do Brasil

Gigante americano, que tem tradição como banco de investimentos no País, terá 40% do banco digital; novos recursos serão parcialmente usados para pagamentos a investidores de rodadas anteriores

Altamiro Silva Júnior e Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2021 | 16h49

Com a compra de 40% do banco digital C6 Bank, fundado em 2019 por ex-sócios do BTG Pactual, o norte-americano JP Morgan ingressa no varejo bancário brasileiro. O investimento será usado para injetar dinheiro novo para o crescimento do C6 e também para pagamento de investidores em aportes anteriores. Em dezembro do ano passado, o banco digital foi avaliado em cerca de R$ 11 bilhões. O Estadão apurou que o valor pago pelos 40% do C6 seria de R$ 10 bilhões, o que avaliaria o negócio como um todo em R$ 25 bilhões. As partes, porém, não divulgaram o valor do aporte.

Com fôlego financeiro renovado, o C6 ganha musculatura para crescer em um mercado cada vez mais competitivo e sob o olhar atento dos grandes bancos, que também estão avançando em suas estratégias digitais. Já o investimento do JP Morgan para entrar no varejo bancário ocorre em um momento de grande ebulição desse mercado, com os grandes bancos sendo desafiados por fintechs e bancos digitais, caso do próprio C6.

O presidente do JP no Brasil, Daniel Darahem, afirma que a aquisição no País mostra o olhar da instituição financeira na transformação digital, que ocorre de forma acelerada no mercado brasileiro. Para esse movimento, o banco analisou nos países em que atua oportunidade de investimento orgânico e via parcerias. “Nós tomamos a decisão de não ir para o varejo bancário no modelo tradicional, mas o modelo digital muda esse cálculo estratégico”, comentou o executivo, em entrevista ao Estadão/Broadcast

As conversas com o C6 começaram no primeiro trimestre do ano, comenta. “Tomamos a decisão de provocá-los (o C6) para a conversa”, diz Darahem, que assumiu o comando do JP Morgan no Brasil no ano passado. Para ele, a plataforma brasileira do banco tradicional ia muito bem e se mostrava “sempre muito rentável”. Foi uma forma de o gigante americano chegar a um setor sem ter de começar do zero.

O investimento do JP no Brasil, segundo seu presidente, marca um novo capítulo na história do banco, que está presente há seis décadas no País. Conforme fontes, o JP teria a opção de adquirir até a totalidade das ações do C6, algo não confirmado pelas instituições financeiras.

Musculatura

O investimento do JP Morgan representa para o C6 mais caixa para seguir crescendo, colocando mais clientes na plataforma. Hoje são 7 milhões de contas abertas, sendo que no fim do ano passado eram 4 milhões. Ainda no vermelho, algo comum em bancos digitais em passo acelerado de crescimento, como o Nubank, o próximo passo deve ser a busca de rentabilidade, algo que as fintechs têm procurado ao colocar nas plataformas produtos como seguros e de investimento.

Para o sócio fundador do C6, Marcelo Kalim, a entrada do JP traz musculatura necessária para crescimento do ano e, por isso, coloca o plano de abertura de capital, inicialmente planejada para 2021, de volta na gaveta.

“No ano passado, depois que fizemos a captação, já sabíamos que precisaríamos de uma nova capitalização e o cenário mais provável naquele momento era uma abertura de capital”, afirma.  No futuro, caso necessário, o banco analisará novamente essa opção. Kalim, assim como os demais fundadores do C6, não venderam ações nessa rodada de investimentos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.