JPMorgan comprará o Bear Stearns por US$2 por ação

O JPMorgan Chase informou no domingoque vai comprar o rival Bear Stearns por apenas 2 dólares poração em uma transação toda em ações que avalia o banco deinvestimento, que está no centro da crise de crédito, em cercade 236 milhões de dólares. A aquisição, que tem apoio do Federal Reserve e do Tesourodos Estados Unidos, ressalta os riscos que bancos einstituições financeiras estão enfrentando com o aprofundamentoda crise de hipotecas dos EUA. Além disso, o preço acertado nacompra, mais de 90 por cento abaixo do fechamento da ação doBear Stearns na sexta-feira, levanta questões sobre asvalorizações do setor bancário. Minutos depois que o anúncio foi feito, o banco central dosEUA fez um corte emergencial de juros e abriu empréstimosdiretos a instituições de Wall Street. Porém, as medidas nãoconseguiram conter os temores de investidores. O dólar atingiu novo recorde de baixa contra o euro e osmercados asiáticos registraram queda. A ação do Bear Stearns fechou na sexta-feira a 30,85dólares, o que dava à instituição criada há 85 anos valor de3,5 bilhões de dólares. No dia anterior, o papel havia derretido 46 por cento. Emjaneiro do ano passado, as ações do quinto maior banco deinvestimento dos EUA, que emprega 14 mil pessoas, bateramrecorde histórico de mais de 171 dólares por ação. "O fato do conselho do Bear ter aceitado que esse ativossejam comprados com tamanho desconto cria questões sobre ovalor dos ativos em muitos balanços contábeis", disse TimothyGhriskey, diretor de investimentos na Solaris Asset Managementem Nova York. "A principal preocupação é o que outras instituiçõesfinanceiras valem no atual ambiente, dado o desconto que oJPMorgan teve ao comprar o Bear", acrescentou. As reservas do Bear Stearns foram drenadas por correntistasem fuga na quinta-feira, e na sexta-feira o banco obteve umfinanciamento de emergência junto ao Federal Reserve, viaJPMorgan. Segundo o acordo, o Fed dará financiamento especial econcordou em bancar até 30 bilhões de dólares em ativos menoslíquidos do Bear. Perguntado como o JPMorgan reconciliou o preço de 2 dólarespor ação com o valor contábil do Bear Stearns dado nasexta-feira, um executivo respondeu: "É uma arte, não umaciência. Há milhares de peças em movimento...que foramrefletidas no preço final que o JPMorgan concordou em pagar." O acordo precisa ser aprovado em assembléia de acionistas. Em teleconferência sobre o acordo, o vice-presidentefinanceiro do JPMorgan, Michael Cavanaugh, disse que os custostotais relacionados à operação somam 6 bilhões de dólares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.