coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

JPMorgan corta 12 mil empregos

Demissões devem reduzir custos anuais em US$ 2 bi

EFE e Dow Jones, NOVA YORK, O Estadao de S.Paulo

27 de fevereiro de 2009 | 00h00

O banco JPMorgan Chase, o segundo maior dos Estados Unidos, anunciou que prevê eliminar 12 mil empregos em consequência da integração do Washington Mutual (WaMu), instituição que adquiriu em setembro do ano passado. O banco detalhou ontem, em conferência com analistas, que, com esse ajuste do quadro de funcionários e outras medidas, prevê reduzir em cerca de US$ 2 bilhões seus custos anuais, dos quais uma grande parte poderia ser alcançada ainda este ano.O WaMu protagonizou, em setembro, o maior afundamento de uma instituição bancária na história dos EUA, o que levou o governo a assumir o controle do grupo e definir sua venda urgente ao JPMorgan. Seis meses antes, a instituição havia adquirido o banco de investimentos Bear Stearns, diante dos temores do governo de que tivesse de se declarar quebrado, por causa da crise.Com a compra do WaMu, o JPMorgan acrescentou 2.207 filiais à rede bancária, e com isso tem agora 5.474 escritórios nos EUA, segundo dados apresentados ontem a analistas. O JPMorgan anunciou na segunda-feira passada um corte de quase 90% do dividendo que tinha previsto dividir entre os acionistas, em 30 de abril, que será agora de US$ 0,05, em vez dos US$ 0,38 planejados.O Conselho de Administração do banco adotou essa decisão como "medida de precaução", diante da incerteza provocada pela crise financeira e, por enquanto, prevê manter o dividendo nesse nível. Com essa iniciativa, poderá manter cerca de US$ 5 bilhões anuais de capital adicional. Ao anunciar a decisão, a instituição afirmou que os resultados financeiros durante o trimestre eram "solidamente rentáveis", inclusive após ter feito contribuições significativas a suas reservas. Charlie Scharf, executivo-chefe para serviços financeiros de varejo, disse que mudanças apropriadas nas regras sobre hipotecas podem ser uma arma eficiente na redução da inadimplência e das execuções de hipotecas. Já o executivo-chefe do negócio de cartão de crédito, Gordon Smith, disse que as perdas líquidas com cartões de crédito vão atingir 7% do total neste trimestre e "vão crescer materialmente em 2009".O JPMorgan afirmou também que os empréstimos comerciais para construção são "a área de maior preocupação do banco para 2009 e depois disso". Segundo o banco, existem cerca de US$ 15 bilhões em empréstimos comerciais para construção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.