Juiz de Milão condena 11 à prisão no caso Parmalat

Um juiz da cidade italiana de Milão condenou à prisão 10 ex-executivos da Parmalat e um advogado na primeira decretação de culpa sobre o colapso avaliado em 14 bilhões de euros (US$ 17 bilhões) do maior grupo alimentício da Itália, disse uma fonte judicial. O juiz Cesare Tacconi sentenciou os 11 homens, entre eles Fausto Tonna, um dos sócios mais próximos do fundador da companhia, Calisto Tanzi, a 2 anos e meio de prisão. A sentença proveio de um apelo apresentado pelos acusados. Apesar de seu envolvimento no que é considerado o maior escândalo financeiro da Europa, nenhum dos condenados, segundo as leis italianas, deve cumprir a pena na prisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.