Juiz dos EUA dá à Argentina 45 dias para reestruturar dívida

Em plena fase de conclusão do plano de reestruturação da dívida em moratória, o governo argentino foi surpreendido pela decisão do juiz nova-iorquino Thomas Griesa de dar ao país um prazo de 45 dias para iniciar a reestruturação da dívida de um fundo de investimento das Ilhas Cayman. Após esse prazo, os demandantes poderão pedir o embargo dos ativos do país. Trata-se do processo que mais preocupa o governo , promovido por EM Ltda, no valor de US$ 700 milhões, o de maior volume até o momento. A decisão não abrange os demais processos contra a Argentina, mas é um fator a mais de pressão contra o Ministério de Economia, que corre contra o relógio para poder cumprir o prazo comprometido com o Fundo Monetário Internacional (FMI) , de apresentar o plano no próximo dia 23 de setembro.Na Secretaria de Finanças, que está a cargo da elaboração do plano, os técnicos trabalham nos últimos detalhes da proposta que será feita pelo ministro de Economia, Roberto Lavagna, e o secretário de Finanças, Guillermo Nielsen. De acordo com informações de fontes da Secretaria, há uma lista enorme de pedidos de entrevistas e reuniões privadas por parte de credores, investidores, empresários e representares de credores e bancos, com Lavagna e Nielsen entre os dias 21 e 23 de setembro, em Dubai, Emirados Árabes, onde a proposta será apresentada por ocasião da assembléia anual conjunta FMI-Banco Mundial.

Agencia Estado,

16 de setembro de 2003 | 12h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.