Juiz dos EUA determina monitor para a WorldCom

O juiz federal que preside o caso de fraude nos balanços da WorldCom determinou a indicação de um monitor corporativo para supervisionar todas compensações pagas pela companhia. Jed Rakoff acatou o pedido da SEC (comissão de valores mobiliários dos EUA) de apontar um monitor e ordenou às partes envolvidas que selecionem três candidatos até 3 de julho. O monitor vai supervisionar todos os pagamentos feitos pela WorldCom para seus executivos, diretores e empregados, evitando qualquer "enriquecimento ilícito" relacionado à fraude apontada, determinou o juiz. Além disso, o monitor vai assegurar que a companhia não destrua ou altere documentos que reguladores e promotores possam pedir como parte das investigações sobre a fraude. A empresa não se opôs à exigência da SEC. O advogado da WorldCom, Paul Curnin, disse que a companhia está "feliz" por cooperar com a SEC, com os advogados do governo e com o Congresso. Rakoff disse às partes envolvidas que estejam prontas para julgamento em seis meses. Até que o monitor seja escolhido, ele determinou que a WorldCom não faça nenhum pagamento acima de US$ 100 mil para nenhum de seus executivos, diretores ou empregados. Após a audiência, o advogado da SEC, William R. Baker III, disse que a exigência não afetará nenhum pagamento que deva ser feito aos 17 mil empregados que seriam demitidos. A SEC quer que um monitor proteja os investidores, o mercado de ações e os empregados da WorldCom, disse ele. Um pedido por um monitor para supervisionar as compensações é bastante incomum, disse. "Dada a gravidade da questão, nós acreditamos que isso seja apropriado, e a companhia concorda." As partes indicaram, durante a audiência, que já tinham candidatos em mente para o posto.

Agencia Estado,

28 de junho de 2002 | 18h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.