Daniel Teixeira / Agência Estado
Daniel Teixeira / Agência Estado

Juiz impõe fiança de US$ 30 mi a ex-Braskem

Após pagamento, o ex-presidente da Braskem José Carlos Grubisich pode ir para prisão domiciliar

Ricardo Leopoldo, correspondente, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2019 | 00h18

NOVA YORK - O juiz Steven M. Gold, da Corte Distrital Leste de Nova York, concedeu na quinta, 12, prisão domiciliar para José Carlos Grubisich, ex-presidente da Braskem, assim que o pagamento de fiança de US$ 30 milhões for feito.

Grubisich foi detido no dia 20 de novembro no Aeroporto John F. Kennedy e levado para uma unidade prisional no Brooklyn. Ele é acusado pelo Departamento de Justiça dos EUA de ter feito pagamentos ilegais de 2002 a 2014 como parte de um esquema de falsificação de documentos, lavagem de dinheiro e liberação de recursos para subornos. 

A Braskem, controlada pelo Grupo Odebrecht, é uma das maiores petroquímicas das Américas.

O juiz determinou que Grubisich só poderá deixar o local por motivos de saúde, reuniões com o advogado ou para comparecer à Corte. Ele também precisará entregar o passaporte à Justiça. Grubisich ficará em um imóvel alugado pela família em Manhattan.

Na audiência, o advogado Edward Kim apontou que a família tem um total de R$ 200 milhões em ativos disponíveis em contas dos bancos Credit Suisse e Santander. Kim não informou se tais recursos estão no Brasil ou no exterior em agências dessas instituições.

Enquanto os detalhes jurídicos não forem concluídos para o pagamento da fiança, que inclui o depósito de US$ 10 milhões em dinheiro, Grubisich continuará preso. 

Vestido com camiseta verde, calça azul marinho e tênis, Grubisich mandou um beijo e fez um sinal de agradecimento à família com as mãos ao final da audiência. Os familiares não quiseram comentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.