Jumpy, o utilitário que se adapta à sua necessidade
Conteúdo Patrocinado

Jumpy, o utilitário que se adapta à sua necessidade

Em live, cliente, consultor e montadora conversam sobre as vantagens de adaptações do veículo indicado principalmente para empreendedores

Citroën, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

27 de novembro de 2020 | 15h14

Um dos grandes diferenciais da linha de utilitários Jumpy, da Citroën, são as múltiplas possibilidades de transformações que atendem as necessidades do cliente, tanto para o transporte de pessoas quanto de cargas.

“O Jumpy é excelente para adaptações. Consegue se moldar aos mais diversos papéis, sempre com excelentes resultados”, descreve João Carvalho, consultor especializado em utilitários da Greencar, empresa que possui opções de transformações homologadas com a Citroën.

A versatilidade do Jumpy continua surpreendendo Carvalho à medida que os clientes apresentam novas necessidades. Além da aplicação mais comum, a coleta e entrega de produtos (incluindo os que precisam de refrigeração), ele já realizou projetos com ajustes feitos sob medida para empresas de telefonia, de engenharia, oficinas, marcenarias e vários outros tipos de negócios.

No caso da recém-lançada versão Vitré, que já vem de fábrica com vidros laterais, o uso pode ser para transporte escolar, transporte executivo ou mesmo para acomodar famílias grandes. “Têm sido cada vez mais comuns os pedidos de adaptação para uso híbrido. Empresários que querem transportar cargas durante a semana e a família nos fins de semana. O Jumpy também consegue equacionar muito bem essa demanda”, conta Carvalho.

Versatilidade a toda prova

O gerente nacional de vendas B2B e Veículos Utilitários da  Citroën, Ricardo Paradeda, lembra que a pandemia ajudou a mostrar a crescente relevância dos utilitários para os mais diversos negócios. “Foi preciso manter o País rodando e as cidades abastecidas. O e-commerce cresceu muito e a agilidade para as entregas se tornou ainda mais essencial.”

O empresário Paulo Presner, de Ponta Grossa (PR), atesta o quanto o Jumpy é perfeito para as tarefas do dia a dia. Ele adaptou o veículo, adquirido no ano passado, para o transporte refrigerado de carnes embutidas da sua empresa, a Porca Chique – e se diz extremamente satisfeito com a combinação entre desempenho, conforto e economia.

“O Jumpy é muito ágil para o trabalho na cidade”, observa o empresário. Ele destaca, como uma das vantagens, o tamanho mais compacto em relação aos concorrentes da categoria – especialmente na altura. “Fica fácil para fazer manobra e entrar em qualquer estacionamento”, conta Presner, que utiliza o Jumpy para entregas em padarias, mercearias e supermercados.

Com motor 1.6 a diesel, o modelo proporciona também ótimo desempenho na estrada, onde faz até 900 km com um tanque. Dispõe de recursos como suspensão independente na traseira, controle de estabilidade, piloto automático e indicador de fadiga, que alerta sobre a necessidade de uma parada após duas horas de movimento permanente. E é também um campeão em economia, com etiqueta A no Inmetro.

Vantagens de longo prazo

Além do valor de venda competitivo e das promoções que facilitam muito a vida do cliente – como prestações baixas em novembro –, a linha Jumpy proporciona ganhos a longo prazo.

“O consumidor precisa ter em mente que o custo de um veículo não é apenas o valor de venda, mas principalmente os custos de manutenção e de operação. O Jumpy é imbatível quando se leva em conta esse pacote”, diz Paradeda.

Quatro vezes premiada pela imprensa especializada do Brasil e com vendas crescendo mês a mês no País, a linha Jumpy é composta atualmente por três modelos. Além do original, com 6 m3 de área, lançado em 2017, há uma versão minibus, com 11 lugares. E recentemente, em outubro de 2020, chegou ao mercado a versão Vitré do Jumpy original, com vidros laterais de fábrica.

Saiba mais sobre a linha Jumpy e outro produtos da Citroën no site www.citroen.com.br.

Assista o vídeo completo do debate: Linha Jumpy - Versatilidade para o seu negócio

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.