Juncker sinaliza ação conjunta com BCE para zona do euro--jornal

A zona do euro está em um ponto decisivo e os líderes do bloco irão trabalhar junto com o Banco Central Europeu (BCE) para demonstrar seu comprometimento com a estabilidade da moeda única, afirmou o presidente do Eurogroup, grupo formado pelos ministros das Finanças da zona do euro, Jean-Claude Juncker, em entrevistas a jornais europeus.

Reuters

29 de julho de 2012 | 16h13

Juncker disse ao alemão Sueddeutsche Zeitung e ao francês Le Figaro, em reportagens publicadas neste domingo, que os líderes decidirão nos próximos dias quais medidas serão tomadas para contornar os rendimentos dos bônus espanhóis que, na semana passada, atingiram recordes de alta. "Não há tempo a perder", disse ele.

Questionado sobre a veracidade da França querer que o fundo de resgate compre bônus do governo, conforme acordo dos líderes da zona do euro em reunião em junho, mas com resistência da Alemanha, Juncker respondeu:

"Não tenho dúvidas de que iremos implementar os acordos da última reunião. Ainda precisamos decidir o que faremos e quando. Isso depende do desenrolar dos próximos dias".

O fundo de resgate europeu, o Fundo Europeu de Estabilização Financeira (EFSF, na sigla em inglês), trabalhará junto com o BCE, segundo ele.

"Trabalharemos de forma próxima com o BCE, e iremos, como (o presidente do BCE) Mario Draghi disse, ver resultados. Não quero criar expectativas, mas devo dizer que chegamos a uma fase decisiva", acrescentou.

Draghi disse na quinta-feira que fará o que for necessário para proteger a zona do euro de um colapso, gerando expectativas sobre um novo programa de compra de dívida.

"Os países do euro chegaram a um ponto em que temos de usar todos meios possíveis para mostrar que estamos determinados a proteger a estabilidade da zona do euro", disse Juncker. Ainda segundo ele, os líderes estão determinados a manter a Grécia no bloco.

(Por Alexandria Sage e Alexandra Hudson)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROJUNCKERDECISOESATUALIZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.