Juro alto põe crescimento em risco, dizem centrais sindicais

As duas maiores centrais sindicais - CUT e Força Sindical - divulgaram comunicado com duras críticas à decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central de elevar os juros básicos da economia para 16,25%. Na opinião delas, a alta afetará o ritmo de crescimento, penaliza o setor produtivo, ameaça o emprego do trabalhador e favorece o setor financeiro. Para a Força Sindical, a ?incipiente retomada econômica? será contida, reduzindo a oferta de emprego e a renda. ?Para o empresariado, juros altos inibem investimentos na produção. Esta política só interessa aos bancos, que já vinham defendendo a medida para conter a inflação?, diz a nota. Segundo o comunicado da CUT, com a decisão do Copom o Brasil viverá outra TPC (tensão pós-Copom), numa referência à expressão usada ontem pelo presidente Lula. ?Há uma expectativa de que a partir de agora a economia possa voltar a viver um processo de estagnação?, afirma a nota. A CUT diz que a inflação deve ser controlada com ?choque de produção?, com elevação dos investimentos nos setores produtivos e da recuperação do emprego e da massa salarial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.