Juro americano é mantido em 2% ao ano

Taxas inalteradas nos Estados Unidos tendem a derrubar ainda mais a cotação do dólar ante o real

Da Redação,

25 de junho de 2008 | 15h11

O banco central dos Estados Unidos (Federal Reserve) decidiu manter o juro básico do país em 2% ao ano. Mesmo com a alta da inflação, a decisão de manutenção da taxa já era esperada pelos analistas, dado que a economia norte-americana continua dando sinais de enfraquecimento. A decisão não foi unânime entre os membros do Comitê - 9 a 1 - e a nota divulgada ao final da reunião expressou crescente preocupação sobre a inflação e as expectativas para os preços. A taxa de redesconto também foi mantida, em 2,25%. As autoridades monetárias não ofereceram indicações de um iminente aumento nas taxas. O próximo encontro do Fed está marcado para 5 de agosto.  Veja também:Comportamento das taxas norte-americanas Entenda os efeitos da crise nos Estados Unidos  Nas últimas sete reuniões, os juros básicos (Fed funds) caíram 3,25 pontos, para 2% ao ano. Foi um período em que o Fed definiu como prioridade combater o estrangulamento do mercado de crédito nos Estados Unidos, que ameaçava afundar pelo menos meia dúzia de bancos. Por isso, irrigou o sistema bancário com mais crédito e injetou mais dinheiro na economia. O pânico foi derrotado a partir de meados de março e os bancos americanos estão aparentemente livres do naufrágio. Mas essa megaoperação apresentou dois megacustos: (1) a volta da inflação, que ameaça ultrapassar os 4% no final deste ano; e (2) o enfraquecimento do dólar diante das outras moedas fortes. Para a economia brasileira, juros inalterados nos Estados Unidos tendem a derrubar ainda mais a cotação do dólar ante o real. Às 15h15, a moeda norte-americana é negociada a R$ 1,5980. Sinais A mensagem preponderante das autoridades monetárias dos Estados Unidos nas últimas quatro semanas foi a de que é preciso fortalecer o dólar e, ao mesmo tempo, ser implacável no combate à inflação. A partir desse recado, o mercado reforçou suas apostas em que se aproxima nova temporada de aperto monetário (alta dos juros). Mas parece improvável que esse passo seja dado no curto prazo porque a atividade econômica dos Estados Unidos está enfraquecida. Além disso, a saúde patrimonial dos grandes bancos americanos continua combalida e teria dificuldade de lidar com uma atmosfera mais rarefeita de oxigênio. Assim, a decisão mais provável era de fato a manutenção dos juros.

Tudo o que sabemos sobre:
Juro americano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.