Juro ao consumidor permanece inalterado, aponta Procon

Apesar da continuidade de queda da taxa básica de juro da economia, iniciada no segundo semestre do ano passado, o juro ao consumidor permanece praticamente inalterado. A primeira pesquisa mensal de juros bancários do Procon-SP em 2006 divulgada hoje revelou que a taxa média de janeiro no empréstimo pessoal foi de 5,42% ao mês (88,42% ao ano), um decréscimo de 0,02 ponto porcentual sobre dezembro de 2005 (5,44%). Já a taxa média do cheque especial permaneceu inalterada, pelo terceiro mês consecutivo, em 8,31% ao mês (160,54% ao ano).No empréstimo pessoal, a maior taxa é praticada pelo Itaú, com juro mensal de 5,95%. A menor taxa é da Nossa Caixa, 4,25% ao mês. No levantamento dos juros do cheque especial, a maior taxa foi cobrada pelos bancos Banespa, Itaú e Santander, de 8,50% ao mês, e a menor taxa verificada foi a da Caixa Econômica Federal, com 7,95% ao mês.Em janeiro de 2006, dois bancos registraram queda nos juros para empréstimos para pessoa física em relação ao mês de dezembro. A Caixa Econômica Federal reduziu seus juros de 5,24% para 5,05% ao mês (diminuição de 0,19 ponto porcentual e variação negativa de 3,63%). A taxa do HSBC teve uma queda de 4,99% para 4,97% ao mês (diminuição de 0,02 ponto porcentual e variação negativa de 0,40%). As demais instituições mantiveram suas taxas inalteradas.A pesquisa foi realizada no dia 3 de janeiro com dez instituições financeiras - HSBC, Banespa, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Santander, Nossa Caixa, Real e Unibanco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.