Juro ao consumidor sobe mais; cheque especial é o vilão

Taxa do cheque especial teve a maior variação mensal dentre as modalidades de crédito

Fernando Nakagawa e Fábio Graner, da Agência Estado,

24 de junho de 2008 | 11h15

As taxas de juros ao consumidor continuam subindo. Pesquisa do Banco Central mostrou que o juro médio subiu de 37,4% em abril para 37,6% ao ano em maio. A elevação ocorreu nas linhas de crédito para as pessoas jurídicas, cuja taxa média passou de 26,3% para 26,9%. Nas operações voltadas às pessoas físicas, apesar da leve queda da taxa média, o juro do cheque especial teve a maior variação mensal dentre as modalidades de crédito, passando de 152,7% ao ano para 157,1% ao ano. No segmento pessoa jurídica, a elevação mais significativa ocorreu na conta garantida, cuja taxa média passou de 65% ao ano para 66,4% em maio.  Veja também:Operações de crédito crescem 32,4% em doze mesesEntenda os principais índices de inflação  Entenda a crise dos alimentos   O BC também informou que o spread médio das operações de crédito - diferença entre os juros de captação e as taxas cobradas nos empréstimos - caiu de 25 pontos porcentuais em abril para 24,5 pontos em maio. O spread das linhas de empréstimos para as empresas teve leve aumento, passando de 14,4 pontos porcentuais (abril) para 14,5 pontos (maio). Nas operações para pessoas físicas, o spread caiu de 34,6 pontos para 33,5 pontos. O BC informou ainda que o prazo médio dos empréstimos permaneceu em 370 dias corridos, prazo idêntico ao observado em abril. O período dos empréstimos para as empresas cresceu, na média, apenas um dia, para 299 dias corridos, ante abril. Nas linhas para as pessoas físicas, o prazo permaneceu em 457 dias corridos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.