Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Juro ao consumidor sobe para perto de 60% ao ano, indica BC

Em relação aos primeiros dias de outubro, a alta é de 5 pontos. Para empresas, juro anual subiu para 31,9%

Fabio Graner e Fernando Nakagawa, de O Estado de S. Paulo,

25 de novembro de 2008 | 11h49

As taxas de juro ao consumidor voltaram a subir no início de novembro. De acordo com dados do Banco Central (BC), divulgados nesta terça-feira, 25, as taxas atingiram 45% ao ano em novembro até o dia 12, com oito dias úteis. A alta foi de 2,1 pontos porcentuais ante os oito primeiros dias úteis de outubro, informou hoje o chefe do Departamento Econômico (Depec) do Banco Central, Altamir Lopes. A taxa para pessoa física teve alta de cinco pontos porcentuais, para 59,8% ao ano, enquanto o custo para pessoa jurídica subiu 0,2 ponto porcentual, para 31,9% ao ano.       Veja também: Novas operações de crédito têm queda de 3% em outubroNa mesma base de comparação, o spread bancário, que é a diferença entre o custo de captação dos bancos e o valor do repasse para o cliente, cresceu 2,2 pontos porcentuais, para 30,5 pontos porcentuais. O número reflete a alta de 3,8 pontos porcentuais para pessoa física e o aumento de 0,5 ponto porcentual para pessoa jurídica. CréditoAltamir afirmou também que as concessões de novos financiamentos em novembro até o dia 12, com oito dias úteis, tiveram alta de 5,7% no geral, na comparação com os oito primeiros dias úteis de outubro. Na pessoa física, a expansão foi de 14,8% e na pessoa jurídica, 1,2%. Na mesma base de comparação, o volume de crédito cresceu 2,5% este mês até o dia 12 ante igual período do mês passado. No segmento pessoa física, o crescimento foi de 2,8% e para a pessoa jurídica, 2,3%.   Inadimplência   A alta de juros e o aumento das concessões de crédito pressionaram os índices de inadimplência, que subiu de 4% para 4,1% de setembro para outubro. No segmento pessoa jurídica, o índice de atrasos em pagamentos superiores a 90 dias subiu de 1,6% para 1,7%. E, na pessoa física, de 7,3% para 7,4%.  No caso da pessoa jurídica, a alta na inadimplência se deu basicamente no segmento de financiamento à importação, cuja taxa passou de 0,4% para 0,5%. Os demais itens de inadimplência da pessoa jurídica ficaram estáveis.  Vale destacar, no entanto, que as operações de Adiantamento sobre Contrato de Câmbio (ACC) tiveram alta de 0,4 ponto porcentual nos atrasos de pagamentos de 15 dias a 90 dias, após o vencimento, ficando com uma taxa de 1,2% em outubro ante 0,8% em setembro. No total da pessoa jurídica, as operações vencidas de 15 dias a 90 dias subiram 0,3 ponto, passando de 1,3% para 1,6%.  No segmento pessoa física, a aquisição de veículos teve alta de 0,1 ponto na inadimplência, passando de 3,8% para 3,9% entre setembro e outubro. O índice de atrasos de 15 dias a 90 dias subiu 0,6 ponto, para 8,1%. No cheque especial, a inadimplência subiu 0,3 ponto, passando de 9% para 9,3%. O índice de atrasos no cheque especial de 15 dias a 90 dias passou de 3,1% para 3,9% - o movimento mais forte no segmento pessoa física.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.