bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Juro bancário sobe com expectativa de 'pausa' da Selic

Antes mesmo da decisão da semana passada do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de manter a Selic em 11,25% ao ano, a taxa média de juros dos empréstimos bancários já havia aumentado. Depois de cair, em setembro, de 35,7% para 35,5% ao ano, voltou aos 35,7% ao ano nos primeiros oito dias úteis de outubro, considerando a média de todas as linhas de crédito.A reação do mercado, portanto, foi bem mais rápida do que normalmente ocorre quando a Selic cai. A Selic é o juro básico da economia brasileira. Nesse caso, a queda dos juros de mercado costuma vir com defasagem bem maior. "Não é nenhuma surpresa que o sistema financeiro seja muito mais ágil na elevação do que na redução dos juros" , diz Paulo Francini, diretor do Departamento de Pesquisa e Estudos Econômicos da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). "Isso se reflete no fantástico resultado dos bancos, cujos porcentuais de lucro relativo ao patrimônio são desproporcionais a qualquer outro país do mundo.""Os bancos anteciparam uma expectativa de alta na inflação futura", diz o economista Fábio Silveira, sócio-diretor da RC Consultores. Para o chefe do Departamento Econômico (Depec) do Banco Central (BC), Altamir Lopes, o espaço para a queda dos juros dos empréstimos bancários ficou reduzido com a decisão do Copom. Segundo ele, o custo de captação tende a se estabilizar com a pausa na queda da Selic, que serve de base para os juros do mercado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.