Juro cai com atuação de estrangeiro

Desaceleração do IGP-M de julho e superávit das contas públicas no País favoreceram o recuo das taxas futuras

Denise Abarca, Claudia Violante e Silvana Rocha, O Estadao de S.Paulo

31 de julho de 2008 | 00h00

Os juros de longo prazo interromperam a alta recente e caíram, ontem, com a atuação de investidores estrangeiros. A desaceleração do IGP-M para 1,76% este mês e o superávit das contas públicas de R$ 11,166 bilhões em junho e de R$ 86,116 bilhões no 1º semestre, o equivalente a 6,19% do PIB - o maior já registrado para o 1º semestre desde o início da série em 1991 - influenciaram na queda. A taxa de janeiro de 2010 recuou a 14,84%, e a de janeiro de 2012, a 14,14%. A Bovespa sustentou a recuperação da véspera e teve o maior ganho num único dia desde 5 de junho, de 3,37%, aos 59.997,6 pontos. O impulso foi dado por Vale, Petrobrás e as ações do setor siderúrgico e de bancos, além dos ganhos das bolsas em Nova York. O dólar à vista perdeu 0,45%, a R$ 1,562 no balcão, com o fluxo positivo e as apostas na queda na rolagem de contratos futuros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.