Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Juro de cheque especial sobe, apura Procon-SP

Os juros cobrados pelos bancos no cheque especial voltaram a subir, acompanhando o movimento de elevação da taxa básica de juros, a Selic. Pesquisa realizada pela Fundação Procon-SP no dia 4 de novembro apontou uma taxa média mensal do cheque especial de 8,25%, superior à verificada no levantamento feito em outubro, de 8,18%.

GABRIELA LARA, Agencia Estado

11 de novembro de 2013 | 12h21

Já a taxa mensal do empréstimo pessoal ficou praticamente estável, variando de 5,27% para 5,28% no período. A pesquisa envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

De acordo com o Procon-SP, o movimento de alta nos juros do cheque especial ocorreu no Banco do Brasil, que elevou a taxa de 6,07% para 6,18% ao mês; no Safra, de 8,25% para 8,90%; no Bradesco, de 8,90% para 8,94%; e no HSBC, de 9,90% para 9,95%. A Caixa Econômica Federal e o Santander mantiveram inalteradas suas taxas de cheque especial. Somente o Itaú registrou queda na taxa, que passou de 9,13% para 8,75%.

No que se refere à cobrança relativa ao empréstimo pessoal, a única alta verificada foi do Bradesco - de 6,27% para 6,31% ao mês. As demais instituições financeiras mantiveram estáveis suas taxas de empréstimo pessoal.

Conforme a entidade, os dados usados no levantamento se referem a taxas máximas prefixadas para clientes (pessoa física) não preferenciais, independente do canal de contratação. Para o cheque especial foi considerado o período de 30 dias. Já para o empréstimo pessoal, o prazo de contrato é de 12 meses.

Tudo o que sabemos sobre:
jurosempréstimosProcon-SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.