Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Juro de crédito pessoal foi o que mais sentiu as medidas do BC

Até o dia 9 de dezembro, o juro dessa modalidade subiu 1,2 ponto porcentual ante novembro, para 43,2% ao ano 

Fernando Nakagawa, da Agência Estado,

23 de dezembro de 2010 | 13h07

Dados apresentados nesta quinta-feira 23, pelo chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, mostram que o crédito pessoal parece ser o empréstimo que mais sentiu as medidas macroprudenciais anunciadas no início do mês. Na média até o dia 9 de dezembro, o juro desses empréstimos subiu 1,2 ponto porcentual na comparação com novembro, para 43,2% ao ano.

Boa parte do encarecimento dessa linha de crédito é explicado pelo aumento da margem cobrada pelos bancos na operação, o chamado spread bancário - diferença entre a taxa de captação paga pelo banco e o juro cobrado pela instituição nos empréstimos. Nos 9 primeiros dias deste mês, o spread dessa operação subiu 0,8 ponto, para 30,9 pontos. "Esse pode ser um início de efeito (das medidas)", reconhece Altamir.

Apesar disso, ele faz ressalva que o número reflete o movimento de poucos dias. "Por isso, ainda é muito pouco para se tirar conclusões."

No caso do financiamento de veículos, ele acredita que o reflexo vai demorar um pouco mais para ser observado. Por enquanto, o juro médio subiu 0,2 ponto na comparação com novembro, para 23% ao ano. O aumento reflete apenas a elevação do custo de captação dos bancos, já que o spread dessa linha de crédito seguiu estável.

No cheque especial, a trajetória da taxa foi exatamente o contrário. Nos 9 primeiros dias de dezembro, o juro médio cobrado caiu 4,6 pontos, para 164,7% ao ano. A redução é explicada por Altamir Lopes pelo recebimento do 13º salário pelos trabalhadores, o que permite a muitos clientes quitar dívidas nessa operação - o que reduz a demanda pelo crédito e diminui o juro médio praticado pelos bancos.

Tudo o que sabemos sobre:
jurocrédito pessoamedidasbcdezembro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.