Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Juro disparou no Natal em lojas e financeiras, aponta BC

Comprar a prazo no Natal foi um mau negócio. As taxas de juros para a aquisição de bens (cobrados em lojas, financeiras e outros, exceto para negócios com carros) subiu 9 pontos porcentuais - de 56,4% ao ano em novembro para 65,2%, de acordo com apuração do Banco Central. Em outras modalidades de crédito para pessoa física, as taxas até recuaram, mas considerando-se que elas já estavam em um patamar bem alto, o consumidor gastou bastante apenas com o pagamento de juros.A taxa média para pessoa física passou de 60,4% em novembro para 59,3% ao ano em dezembro. A taxa de juro no crédito pessoal para pessoa física acompanhou a queda. Passou de 68,7% ao ano cobrado em novembro para 67,3%. No cheque especial, a taxa passou de 149,2% em novembro para 147,5% ao ano em dezembro. Apesar da queda, o juro no Natal de 2005 foi superior ao de 2004, quando o cheque especial cobrava taxa de 144% ao ano. No crédito pessoal, a tendência foi inversa. Em dezembro de 2004, a taxa era maior, de 68,4% ao ano.O estudo do BC também apontou que as operações de crédito do sistema financeiro fecharam 2005 em 31,3% do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2004, os empréstimos bancários correspondiam a 27% do PIB e estavam em R$ 499,604 bilhões. No passado, o crédito bancário ficou em R$ 606,874 bilhões. O valor, de acordo com o Depec, representa uma expansão acumulada em todo o ano de 2005 de 21,5%. No último mês do ano passado, o crédito experimentou expansão de 2,8%.

Agencia Estado,

24 de janeiro de 2006 | 16h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.