Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Juro do cheque especial volta subir e atinge 191,6%, maior nível em 15 anos

A taxa praticada na modalidade subiu 43,7 pontos porcentuais só neste ano, bem acima do ritmo de alta da Selic, que passou de 10% para 11,75%

Célia Froufe,Adriana Fernandes, O Estado de S. Paulo

22 Dezembro 2014 | 11h27

 

Os juros do cheque especial voltaram a subir em novembro e atingiram 191,6% ao ano, renovando o maior nível desde abril de 1999. Só neste ano, a taxa já avançou 43,7 pontos porcentuais.

A taxa Selic, que é a referência para o mercado de juros, começou 2014 em 10% ao ano e está em 11,75%. A expectativa do mercado financeiro, divulgada pela pesquisa Focus, é de que a taxa suba para 12,25% na primeira reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) de 2015.

A taxa média de juros para a pessoa física passou de 44,0% ao ano para 44,2% ao ano, no período, atingindo o valor recorde para a série do Banco Central que é de 2011. Para veículos adquiridos por pessoa física, o juro médio passou de 23,0% em outubro para 22,7% em novembro.

Já os juros para pessoa jurídica aumentaram de 23,4% ao ano para 23,5%.

Em outubro, quando subiram pela primeira vez desde junho, as taxas de juros totais (pessoa física e pessoa jurídica) atingiram o maior porcentual desde março de 2011, ficando em 32,9% ao ano. A tendência é de continuidade das altas dos juros como reflexo do atual ciclo de aperto monetário promovido pelo Banco Central.

A taxa média de juros no crédito total, que inclui também as operações direcionadas, ficou estável em 21,3% ao ano em novembro. O juro médio do crédito direcionado permaneceu em 7,9% ao ano na mesma comparação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.