Juro do consumidor é o mais baixo desde o Real

Taxa anual paga pelas pessoas físicas caiu de 40,5% em julho para 39,9% em agosto; para o BC, redução se deve à expansão de crédito mais barato

Fernando Nakagawa, Fabio Graner BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2010 | 00h00

O juro cobrado do consumidor nos empréstimos nunca foi tão baixo. Dados divulgados ontem pelo Banco Central mostram que a taxa paga pelas pessoas físicas caiu para 39,9% anuais em agosto, a mais baixa desde o Plano Real. Em julho, estava em 40,5%.

O BC atribui a redução à queda da inadimplência e à expansão do crédito mais barato, como o consignado. Enquanto famílias aproveitam taxas em queda, o juro médio cobrado das empresas nos financiamentos subiu pelo quarto mês seguido.

"O crescimento da economia gera menor inadimplência, o que favorece a redução das taxas. Além disso, modalidades como o consignado e financiamento de veículos, que têm juros menores, continuam ganhando mercado", diz o chefe adjunto do departamento econômico do BC, Túlio Maciel.

Nos últimos meses, mais consumidores têm tomado dinheiro em operações com juros menores, o que reduz o juro médio do mercado. O melhor exemplo é o crédito consignado. Em agosto, essas operações cresceram 3,1% em relação a julho. Já o crédito pessoal tradicional, sem desconto em folha de pagamento, avançou 2,2%. Como o juro médio do consignado é de 26,4% ao ano - menor que os 55,3% do crédito pessoal -, a média acaba caindo estatisticamente.

"Como o pagamento do consignado é feito diretamente no salário, o risco de calote dessa operação é muito baixo. Por isso, o juro é menor", diz o professor da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas, Evaldo Alves. Hoje, 60,2% do crédito pessoal já é tomado no consignado. Há um ano, era 56,9%. Para Alves, o juro vai cair ainda mais, pois a inadimplência continua em queda. Em agosto, a parcela dos empréstimos às famílias com atraso superior a três meses caiu de 6,3% para 6,2%. O calote tem caído gradualmente desde maio de 2009.

O professor de finanças do Insper, Ricardo José de Almeida, também afirma que muitas pessoas da chamada "nova classe média" têm ajudado a reduzir o juro. "Muitos clientes que estrearam no crédito recentemente têm conseguido pagar as parcelas em dia porque o emprego e a renda estão em alta. Isso gera um histórico favorável e os bancos reconhecem que esse cliente é um bom pagador, o que reduz o juro cobrado", explica. "É o chamado aprendizado dos bancos."

Empresas. A realidade do crédito às empresas, porém, é diferente. O juro médio cobrado nesse segmento subiu pela quarta vez seguida, para 28,9%. Para Túlio Maciel, a busca de pequenas empresas por crédito explica a elevação persistente das taxas. "Houve mudança no perfil dos tomadores de empréstimos. Temos maior participação das micro e pequenas empresas, que têm maior risco de inadimplência, o que faz com que bancos elevem o juro praticado."

Evaldo Alves, da FGV, diz que a entrada de novas empresas no mercado de crédito pode ser explicada, em parte, pelo processo de formalização que tem ocorrido na economia brasileira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.