Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Juro do rotativo do cartão de crédito sobe para 399,1% em julho

Indicador de Custo do Crédito (ICC) mostrou estabilidade em julho ante junho, em 22,2% ao ano, segundo o Banco Central

Fabrício de Castro e Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2017 | 11h02

BRASÍLIA - Os juros do rotativo do cartão de crédito subiram de 380,8% ao ano em junho para 399,1% no mês passado, segundo dados do Banco Central divulgados nesta quinta-feira, 24.

A taxa avançou apesar das novas regras para o cartão de crédito. Já os juros médios cobrados pelos bancos nas operações com cheque especial registraram pequena queda, passando de 322,6% ao ano, em junho, para 321,3% ao ano, em julho.

No mesmo mês, o  Indicador de Custo do Crédito (ICC) mostrou estabilidade em julho ante junho, em 22,2% ao ano. Houve alta de 0,1 ponto porcentual no caso de pessoas físicas, para 28,2% ao ano, e recuo de 0,1 ponto porcentual no caso de empresas, para 16% ao ano.

O ICC é o mais recente indicador de crédito do Banco Central, que passou a ser publicado na Nota de Política Monetária e Operações de Crédito da instituição. Na prática, é um indicador que reflete a taxa de juros média efetivamente paga pelo brasileiro, nas operações de crédito contratadas no passado e ainda em andamento.

Considerando apenas o crédito com recursos livres, o ICC também mostrou estabilidade em julho ante junho, em 37,1% ao ano. No caso do crédito com recursos direcionados, o indicador caiu 0,1 ponto porcentual, para 8,9%.

As operações de crédito direcionado para habitação no segmento pessoa física cresceram 0,7% em julho ante junho, totalizando R$ 555,190 bilhões. De acordo com o Banco Central, R$ 65,169 bilhões se referem a empréstimos a taxas de mercado e R$ 490,021 bilhões a taxas reguladas.

No caso do estoque de operações de crédito livre para compra de veículos por pessoa física avançou 0,2% de junho para julho. Com isso, o total de empréstimos para aquisição de automóveis por esse grupo de clientes ficou em R$ 143,042 bilhões no mês passado.

 

Inadimplência. A taxa de inadimplência no crédito livre seguiu em 5,6% em julho, mesma taxa registrada em junho. Em julho de 2016, a taxa estava em 5,7%.

Para pessoa física, a taxa de inadimplência passou de 5,8% em junho para 5,7% em julho. No mesmo mês do ano passado, estava em 6,2%. Para as empresas, a taxa foi de 5,3% em junho para 5,5% em julho.

A inadimplência do crédito direcionado passou de 1,9% em junho para 2,0% em julho.

No cheque especial, o volume de calotes passou de 15,2% em junho para 14,8% em julho.

No caso de aquisição de veículos, o volume de calotes foi de 4,4% em junho para 4,2% em julho. No cartão de crédito, passou de 7,5% para 7,4% no período.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.