finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Juro é 7,5% do preço do produto, diz Fiesp

Estudo mostra que as indústrias gastam, direta e indiretamente, cerca de R$ 156 bilhões por ano para se financiar nos bancos

MARCELO REHDER, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2012 | 03h05

Os spreads e os juros mais altos do mundo fazem com que o custo para capital de giro das empresas brasileiras corresponda a 7,5% do preço dos produtos industrializados, de acordo com pesquisa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Para financiar seu capital de giro, a indústria de transformação gasta cerca de R$ 156 bilhões por ano.

A entidade entende que a segunda fase da política industrial do governo Dilma Rousseff, chamada de Plano Brasil Maior, anunciada na semana passada, ainda é insuficiente para resolver o problema de competitividade brasileiro. Os R$ 15 bilhões oferecidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para financiamento de giro, por exemplo, representam apenas 0,5% das necessidades de financiamento do setor industrial.

Um dos fatores que roubam competitividade do produto nacional são os spreads, que encarecem o custo do crédito no País. Spread é a diferença entre o que os bancos pagam na captação do dinheiro e o que cobram nos empréstimos.

"O problema dos spreads é grave", diz o presidente da Fiesp, Paulo Skaf. Ele lembra que a redução da taxa básica de juros (Selic) não foi acompanhada de queda do spread, e os ganhos de escala e eficiência do sistema financeiro, obtido com o crescimento do crédito, também não foram repassados à economia na forma de redução do spread.

Em janeiro de 2004, o crédito total da economia representava 24,3% do Produto Interno Bruto (PIB) e hoje representa 48,8%. "O volume do crédito dobrou, trazendo bastante economia de escala para os bancos, porém não houve redução dos spreads", frisa Skaf.

Segundo a pesquisa da Fiesp, o apoio ao investimento anunciado pelo governo não compensa a perda de competitividade por causa do ambiente hostil de negócios. Por uma razão simples: só após cumprida essa condição, o investimento passa a ser cogitado pelas empresas.

Para efeito de comparação, o documento cita que apenas os benefícios "ilícitos" concedidos na guerra dos portos equivalem a um barateamento de 7% nos produtos importados. "Nenhuma condição de financiamento do BNDES, para investimento ou capital de giro, é capaz de compensar essa competição desleal", argumenta a Fiesp.

A entidade considera a redução das taxas do BNDES essencial para ampliar o investimento. Mas, para que isso ocorra, ressalva ser fundamental a melhoria no acesso aos recursos. Em 2011, a participação dos recursos públicos no investimento industrial foi de apenas 14,6%, enquanto os recursos próprios responderam por 68,8%.

Além do crédito caro, outros componentes do custo Brasil tiram poder de competição do setor. Exemplo: não bastasse o peso da carga tributária (representa 40,3% do preço dos produtos), as empresas gastam muito para pagar impostos. No total do preço do setor, 2,6% se devem ao custo com a burocracia para pagar tributos."O governo está atento ao fenômeno da desindustrialização, mas as medidas são muito tímidas diante do tamanho do problema", diz Skaf.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.