Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Pablo Valadares/AE-20/12/2010
Pablo Valadares/AE-20/12/2010

Juro e inflação elevam dívida em R$ 24 bilhões

Valor dos títulos nas mãos dos investidores chegou a R$ 1,69 trilhão em março; participação de investidores estrangeiros se manteve estável: 11,4%

Renata Veríssimo e Eduardo Rodrigues / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2011 | 00h00

A dívida pública do governo federal em títulos nas mãos dos investidores totalizou R$ 1,69 trilhão em março, alta de 1,39% em relação a fevereiro. A expansão de R$ 24 bilhões em um mês se deveu em grande parte aos juros da dívida, que somaram R$ 16,39 bilhões, segundo os dados divulgados ontem pelo Tesouro Nacional.

O custo da dívida tem crescido neste ano por causa dos aumentos da taxa Selic e da inflação. O custo médio acumulado em 12 meses subiu para 11,76% ao ano. Só não foi maior porque a valorização do real ante o dólar reduziu a despesa com o financiamento da dívida externa.

As emissões de títulos superaram em R$ 6,87 bilhões os resgates. Conforme anunciado pelo governo, R$ 5,25 bilhões das novas emissões em março foram para capitalizar o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Uma medida provisória, editada em 2010, autorizou empréstimo do Tesouro ao banco de até R$ 30 bilhões, mas o BNDES só havia recebido R$ 24,75 bilhões no ano passado.

O perfil da dívida melhorou em março. A fatia de títulos remunerados pela Selic caiu no mês passado para 32,34% do estoque da dívida, mas ainda está acima da meta para este ano. A participação desses papéis deve ser entre 28% e 32% do total para permanecer no Plano Anual de Financiamento (PAF). Esses títulos são justamente aqueles considerados menos favoráveis para a gestão das finanças públicas, que o Tesouro tenta há anos diminuir no estoque da dívida.

"Com o cronograma previsto de emissões ao longo do ano, voltaremos às bandas estipuladas no PAF", disse o coordenador-geral de operações da Dívida Pública do Tesouro, Fernando Garrido. Os títulos prefixados, considerados os melhores para a gestão da dívida porque têm a remuneração fixada no momento da venda, também estão fora dos parâmetros fixados pelo Tesouro. Eles equivaleram a 34,56% do estoque em março, mas a meta é elevar essa participação entre 36% e 40% até o fim de 2011.

O Tesouro também trabalha para diversificar a base de investidores em títulos públicos para distribuir melhor a participação dos grupos. A estratégia para evitar a concentração de papéis em um determinado grupo diminui o risco de movimentos bruscos na mesma direção em momentos de incerteza no mercado.

O coordenador-geral de Planejamento Estratégico da Dívida Pública, Otávio Ladeira, citou o caso dos bancos, cuja participação tem caído nos últimos anos, em sintonia com a queda no longo prazo da taxa básica de juros, enquanto os grupos formados por seguros e fundos de previdência têm aumentado a participação em títulos de longo prazo indexados à inflação.

As instituições financeiras detêm 30,5% do estoque da dívida interna, seguidas por fundos de investimento, com 24,1%, e fundos de previdência, que detêm 15,9%. A participação dos investidores estrangeiros se manteve estável em março em 11,4%, depois de uma queda em fevereiro.

Selic e IPCA

R$ 1,69 tri

é o total da dívida pública do governo federal em março

R$ 24 bi

foi o aumento ante fevereiro

R$ 16,39 bi

é a parcela de juros da dívida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.