bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Juro menor nos EUA pode influenciar decisão do Copom

Nos Estados Unidos, analistas apostam que juro pode cair ainda mais

Jacqueline Farid, da Agência Estado,

22 de janeiro de 2008 | 14h07

O Comitê de Política Monetária (Copom) reúne-se a partir desta terça e a decisão sobre a taxa básica de juros (Selic) será anunciada na quarta-feira. De acordo com o economista Carlos Thadeu de Freitas, ex-diretor de política monetária do Banco Central, a queda da taxa de juros anunciada nos Estados Unidos garante um cenário confortável para a inflação no Brasil e elimina a possibilidade de alta da Selic no primeiro semestre. "Esse corte de juros nos Estados Unidos, com manutenção da Selic por aqui, manterá o dólar em patamar reduzido e a inflação sob controle", afirmou.   Veja também:  Fed anuncia corte emergencial em juro dos EUA, para 3,5%  Turbulência nos mercados: entenda o nervosismo de hoje   Mercados têm reação positiva ao corte do juro nos EUA   Os efeitos da crise do setor imobiliário dos EUA      O corte inesperado de 0,75 ponto porcentual na taxa básica de juros norte-americana é a maior redução promovida pelo Banco Central dos Estados Unidos (Fed) desde 1990, quando a política de juros passou a ser usada no controle da inflação. A decisão do Fed, que reduziu o juro de 4,25% ao ano para 3,5% ao ano, foi anunciada nesta terça-feira, 22, antes da abertura dos mercados nos Estados Unidos.   Mesmo com esta queda, analistas avaliam que o banco central norte-americano vai promover mais uma redução na reunião marcada para o final de janeiro. As apostas dividem-se em mais um corte de 0,25 ponto porcentual e 0,5 ponto porcentual.   Cenário no Brasil   Thadeu de Freitas, que é chefe do departamento de economia da Confederação Nacional do Comércio, não integra o grupo dos analistas que vêem piora no quadro inflacionário nos últimos dias. Para ele, o IPCA em 2008 ficará entre 4,0% e 4,3% e nada mudou nas perspectivas de inflação.   O quadro atual, segundo ele, mostra recuo no preço do petróleo e desaceleração na alta dos produtos alimentícios, garantindo um retorno do IPCA a níveis reduzidos a partir de março, após as pressões naturais do início do ano. "Tem muito ruído nessas previsões mais altas de inflação", disse.   Na segunda-feira, o relatório Focus do Banco Central mostrou uma piora no cenário para a inflação, já que a mediana das expectativas para 2008 subiu de 4,29% para 4,37%, refletindo principalmente a deterioração das projeções para janeiro, que passaram de 0,53% para 0,58%.   Para Thadeu de Freitas, a taxa Selic permanecerá inalterada no primeiro semestre e pequenas quedas poderão ocorrer a partir de julho. A mudança nesse cenário, segundo ele, só seria possível com uma disparada do dólar no Brasil, que ele considera improvável, sobretudo após o anúncio da queda dos juros nos EUA.

Tudo o que sabemos sobre:
Mercado financeiroEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.