Juro não cai este ano, disse novo diretor do BC antes de assumir

O novo diretor de política monetária do Banco Central, Rodrigo Azevedo, acredita que o Copom irá manter a taxa Selic em 16% ao ano até o final deste ano. Essa previsão foi feita na semana passada - um dia após o Copom ter mantido os juros em 16% ao ano - em relatório enviado aos clientes do banco Credit Suisse First Boston, no qual Azevedo trabalhava até ontem como economista-chefe para Brasil. Segundo ele, "o atual nível da cotação do real e a atividade econômica robusta mudam consideravelmente as expectativas inflacionárias para 2005". Ao comentar as denúncias da revista IstoÉ em nota aos clientes, Azevedo disse que ela não era relevante o suficiente para levar a substituição do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, mas que o então Diretor de Política Monetária, Luiz Augusto Candiota poderia ser substituído. "Acreditamos que a matéria poderá levar a pressões políticas crescentes para a substituição de Candiota", disse no relatório.O novo diretor do BC previa ainda uma reação tranquila à possível saída de Candiota. "Se Candiota sair, acreditamos que o presidente do BC, Henrique Meirelles, o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e o presidente Lula estariam inclinados a substituí-lo com um nome que totalmente apóia a atual orientação de política econômica", escreveu Azevedo.

Agencia Estado,

28 de julho de 2004 | 16h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.