Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Juro para pessoa física é o mais elevado desde 2003

Em meio à crise financeira internacional, que fez os bancos apertarem o cinto na concessão de crédito, os clientes pessoa física já estão pagando juros mais altos. Segundo pesquisa da Fundação Procon de São Paulo (Procon-SP) divulgada hoje a taxa de juros registrada em novembro é a mais elevada desde 2003. Com isso, o órgão, vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado, recomenda ao consumidor cautela ao contratar empréstimos.Os juros médios para empréstimo pessoal ficaram em 6,15% ao mês ou 104,57% ao ano, patamar mais alto desde junho de 2003, quando foi de 6,22% ao mês. Em relação a outubro deste ano, houve alta de 1,82% nessa modalidade. No cheque especial, os juros médios ficaram em 9,24% ao mês ou 188,73% ao ano, a maior taxa mensal desde julho de 2003, quando foi de 9,27%. O aumento em relação a outubro foi de 3,12%. BancosDos dez bancos pesquisados, cinco elevaram a taxa do empréstimo pessoal e sete a do cheque especial. Os demais mantiveram os juros. Para empréstimo pessoal, foi considerado o prazo de 12 meses e, para cheque especial, o uso por 30 dias. O Procon pesquisou os juros máximos praticados no Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Nossa Caixa, Banco Real, Safra, Santander e Unibanco.As maiores elevações para as duas modalidades de crédito aconteceram no Bradesco. Para empréstimo pessoal, a taxa passou de 5,47% para 5,99% ao mês - alta de 9,51%. Para cheque especial, passou de 8,05% para 8,64% - alta de 7,33%. Houve aumento significativo, de 6,14%, dos juros na taxa do cheque especial do Banco Real, que subiu de 9,28% para 9,85% ao mês.A taxa de juros mais alta para empréstimo pessoal foi registrada no Banco Real, de 8,15% mensais. A mais baixa, na Caixa, de 4,49%. No cheque especial, os juros mais altos, de 12,30% ao mês, estão no Safra e os mais baixos, de 7,98%, também na Caixa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.