Juro para pessoa física é o menor desde 1994

Taxa cai para 43,9% em 2007, acumulando redução de 8,2 pontos no ano; crédito atinge 34,7% do PIB

Fernando Nakagawa, da Agência Estado,

29 de janeiro de 2008 | 10h48

A taxa de juros para a pessoa física cobrada pelos bancos caiu para 43,9% em 2007, atingindo o menor nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1994. Além disso, as operações de crédito no Brasil atingiram 34,7% do Produto Interno Bruto no ano, segundo dados do Banco Central divulgados nesta terça-feira, 29.  Veja também:IOF e turbulências externas freiam crédito em 2008, avalia BC O volume de crédito total no País cresceu 27,3% no ano passado, para R$ 932,2 bilhões. Considerando apenas os recursos livres, os empréstimos aumentaram 32,2% no ano, para R$ 659 bilhões. Entre as diversas linhas acompanhadas pelo Banco Central, a que apresentou a expansão mais vigorosa foi o crédito para pessoas físicas (exceto operações com setor rural e habitacional), que aumentou 33%, de R$ 235,816 bilhões para R$ 313,620 bilhões.  Os empréstimos para empresas aumentaram 29,8% na mesma base de comparação, de R$ 164,581 bilhões para R$ 213,577 bilhões. Já os financiamentos habitacionais tiveram expansão de 25,7% nesse período e passaram de R$ 35,689 bilhões para R$ 44,846 bilhões. Juros  Em dezembro, a taxa média de juros caiu para 33,8%, frente a 34,7% em novembro e 39,8% um ano atrás. No resultado fechado de 2007, houve redução de 6 pontos porcentuais na taxa de juro. A diminuição ocorreu tanto nas linhas para pessoas físicas como para empresas. Nas operações para pessoas físicas, a redução acumulada foi de 8,2 pontos e taxa fechou o ano em 43,9%. Já nos empréstimos para as pessoas jurídicas, houve corte da taxa de 0,4 ponto porcentual no mês passado, de 23,3% para 22,9%. No ano, houve redução de 3,3 pontos.  O spread bancário - diferença entre a taxa de captação dos bancos e a cobrada dos clientes - ficou em 22,4 pontos percentuais em dezembro. Entre as diversas operações, as linhas para pessoas físicas tiveram redução de spread de 1,4 ponto no mês, de 33,3 pontos para 31,9 pontos. No ano, a redução acumula 7,7 pontos. Nos empréstimos para empresas, o spread médio caiu 0,4 ponto no mês, de 12,3 pontos para 11,9 pontos. No ano, a redução acumula 1,6 ponto.  Inadimplência A taxa de inadimplência do crédito livre caiu em dezembro de 4,5% para 4,3%. Isso significa que houve uma queda de 0,7 ponto porcentual na inadimplência no ano em relação a dezembro de 2006, quando a taxa estava em 5%.  Já a base monetária (papel moeda emitido mais reservas bancárias) teve expansão de 12,8% na média dos saldos diários de dezembro. A expansão ocorrida no mês passado é a maior desde dezembro de 2006, quando também houve crescimento de 12,8%.  Com a variação, o saldo da base monetária pelo conceito de média aumentou de R$ 127,393 bilhões em novembro para R$ 143,642 bilhões em dezembro. No ano, a base monetária registrou expansão de 21,4%.  Pelo conceito de ponta (final do período), a base monetária mostrou expansão de 12,1% em dezembro ante novembro. Esse porcentual é o maior desde dezembro de 2006, quando houve crescimento de 15%. Com esse crescimento, o valor passou de R$ 130,847 bilhões em novembro para R$ 146,617 bilhões. No acumulado de 2007, houve crescimento de 21,1% em relação a 2006.

Mais conteúdo sobre:
JurosCrédito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.