Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Juro zero: Corte no Japão não foi cura rápida para recessão

País adotou medida similar ao Fed para enfrentar crise na década de 90.

Duncan Bartlett, BBC

17 de dezembro de 2008 | 06h14

O Fed (Federal Reserve Bank, o Banco Central americano) anunciou a redução da sua taxa básica de juros de 1% ao ano para entre zero e 0,25%, com o objetivo de ajudar o setor financeiro e impedir a deflação.Razões semelhantes levaram o Banco do Japão a adotar uma política de taxa de juros zero no final da década de 90. Economistas no resto do mundo olharam intrigados e preocupados quando o Japão baixou suas taxas. O banco central do país esperava que isso encorajaria as pessoas a economizar menos e a gastar mais.A instituição acreditou ainda que seria bom para as empresas, que precisavam tomar dinheiro emprestado dos bancos.Bancos cautelososNa verdade, estas metas foram alcançadas apenas parcialmente. O rendimento da poupança diminuiu mas as pessoas ainda estavam relutantes em gastar muito por causa de uma profunda preocupação com as perspectivas econômicas, então os preços das mercadorias no varejo continuaram a cair.E os bancos se mantiveram cautelosos para emprestar dinheiro às empresas por causa da inadimplência que haviam enfrentado antes.No final, não foram as taxas de juros baixas que tiraram o Japão de sua última recessão prolongada. A economia começou a crescer devido ao comércio exterior, particularmente com a China.Agora o crescimento econômico da China está se tornando mais lento, e o Japão não pode depender do poder de compra de seu vizinho.O governo japonês diz que sua prioridade é estimular a economia doméstica e o Banco do Japão, mais uma vez, está considerando se um novo corte de juros - de volta ao quase zero - pode ajudá-lo a alcançar este objetivo.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.