Juros altos nos EUA; Meirelles prevê impacto diferente de 1994

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse hoje que o processo atual de ajuste da política monetária dos Estados Unidos (alta dos juros) será diferente do ocorrido em 1994. Na época, ao promover uma elevação dos juros, o banco central do país (Federal Reserve) provocou uma alta de 200 pontos-base no risco Brasil, que foi seguida de outro aumento de 1.000 pontos-base, após a moratória do México.O risco Brasil é a taxa que mede a desconfiança do investidor estrangeiro em relação à capacidade de pagamento da dívida do país. Quando os Estados Unidos elevam sua taxa de juros, a tendência é de desaquecimento econômico mundial, o que tem impacto negativo sobre as finanças de cada país. Isso, para os investidores estrangeiros, é um sinal de que o país perde parte da capacidade de pagamento das dívidas. Meirelles afirmou que, em 1994, os sistemas de câmbio dos países latino-americanos eram diferentes, atrelados ao dólar, o que provocou impactos mais fortes. O presidente do BC ponderou, no entanto, que, além do ajuste dos juros norte-americanos, outros fatores influenciarão as condições brasileiras. Ele citou especificamente as políticas monetárias de outros países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.