Juros bancários caem mas ainda estão altos

Pesquisa de juros bancários da Fundação Procon-SP, realizada nos dias 10 e 11 de agosto, revelou uma diminuição nas taxas médias mensais do cheque especial - de 8,74% em julho para 8,69% em agosto - e do empréstimo pessoal - 4, 45% em julho para 4,32% em agosto.A maior taxa cobrada no cheque especial, segundo a pesquisa, foi a de 10,50% ao mês do Banco Santander, enquanto que a menor ficou em 7,50% ao mês do BBVA. As reduções da taxa do cheque especial, em relação à pesquisa de julho, ocorreram nos bancos Real - de 9,90% para 9,35% ao mês - e Santander - 10,65% para 10,50% ao mês.Já para o empréstimo pessoal constatou-se que a maior taxa foi de 4,90% ao mês do Itaú e a menor foi de 2,95% ao mês do Banespa e BBVA. No empréstimo pessoal, as quedas das taxas ocorreram no Banespa, Real, Unibanco e Santander. O Banespa reduziu a taxa de 4,00% para 2,95% ao mês. Os bancos Real e Unibanco alteraram a taxa de 4,90% para 4,60% ao mês. No caso do Santander, a taxa mensal caiu de 4,50% para 4,30% ao mês. Os juros nessas linhas de crédito ainda estão muito altosMesmo tendo ocorrido reduções nos juros bancários, é aconselhável que o consumidor evite essas linhas de crédito. Isso porque os juros ainda estão muito altos. Para se ter uma idéia, as taxas pagas nos Certificado de Depósito Bancário (CDB) de 30 dias - um dos meios utilizados pelos bancos para captação de recursos destinados ao crédito - está em 15,75% ao ano. Na outra ponta, o banco cobra no empréstimo pessoal uma taxa média de 66,12% ao ano. A diferença é ainda maior na comparação com a taxa média do cheque especial - 171,82% ao ano.Veja no link abaixo a pesquisa completa de juros bancários realizada pelo Procon-SP. Confira também a tabela de CDB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.